Antigamente: A majestade do Hotel Holetz, a imponência do Grande Hotel (e a infeliz decadência)

A majestade de linhas e tradição do Hotel Holetz, uma família tradicional na hotelaria que, hoje, é uma página inesquecível da história blumenauense (Antigamente em Blumenau)

A majestade de linhas e tradição do Hotel Holetz, uma família tradicional na hotelaria que, hoje, é uma página inesquecível da história blumenauense (Antigamente em Blumenau)

O majestoso

A definição guardada em uma palavra apenas no texto de Morgana Holetz Aguiar, publicado pelo pesquisador Adalberto Day resume perfeitamente o que simbolizada a belíssima construção que tinha lugar na esquina famosa da Alameda com a Rua XV. Nela, por quase 60 anos, esteve instalada umas das mais belas construções de Blumenau, bem como um dos estabelecimentos comerciais mais populares do tempo de ouro de nossa cidade. Famoso pelo bom atendimento, pelas histórias e inovações que trouxera, este era o Hotel Holetz, cuja história dele e do sucessor – o Grande Hotel – passamos agora a rememorar.

Tudo, na verdade, começou bem antes do magnífico prédio que marcou época. Em 1854, quatro anos depois da fundação de Blumenau, chegava a pacata colônia o imigrante Moritz Holetz, que começou a oferecer naquela região serviço de hospedagem aos viajantes que passavam pela vila. A família prosperou na hotelaria, ainda primitiva na época, mas constantemente evoluindo. Do pequeno casebre onde funcionava a hospedaria, começou a brotar o hotel, que seria aberto ao funcionamento em 1 de setembro de 1902.

Primeiro registro da hoje esquina da Alameda com Rua XV, onde já estava a hospedaria de Moritz Holetz. Imagem de 1879 (Adalberto Day)

Primeiro registro da hoje esquina da Alameda com Rua XV, onde já estava a hospedaria de Moritz Holetz. Imagem de 1879 (Adalberto Day)

O prédio, de linhas clássicas e imponente, tinha frente para a Rua XV e era uma das marcas da cidade de Blumenau por muitos anos, sendo filmado várias vezes em um antigo filme sobre o centenário da cidade, em 1950. A satisfação dos hospedes era garantida, assim como o deslumbre das pessoas que contemplavam a bela construção.

A publicidade do Hotel Holetz, em puro alemão, destacando os serviços oferecidos, já destacando a alcunha de "majestoso". A propaganda foi um artificio que ajudou muito o hotel nos primeiros anos (Antigamente em Blumenau)

“O hotel mais conhecido do lugar. Limpos quartos ventilados. Cozinha de primeira classe. Sala para mostruário à disposição dos senhores viajantes. Auto Garagem à disposição. Localizado no centro da cidade” A tradução, enviada pelo amigo Zé Pfau enviou para a redação de A BOINA a tradução desta curiosa peça publicitária do Hotel Holetz, pro volta dos anos 30, e comenta “ele quer dizer que o ramo não tinha tradição em higiene. Coisa da época. Esta sala do mostruário é genial. O viajante se hospedava, tirava do carro a mercadoria e fazia um exposição. Então o comerciante iria no hotel comprar e ver o mostruário”. (Antigamente em Blumenau)

Além disto, o Holetz tinha uma localização estratégica, ficava bem próximo ao antigo porto da cidade, nas imediações da Praça Hercílio Luz (Biergarten) e do Clube Náutico América, onde muitos viajantes e comerciantes desembarcavam e aproveitaram uma parada no hotel para hospedar-se ou até fazer refeições. A publicidade também ajudava – e muito – na boa imagem do hotel, muitas vezes sendo referido, como o próprio Beto Day assinalou, como majestoso. E não era para menos.

Depois de alguns anos em uma modesta instalação, a família concluía, em 1902, o novo prédio do Holetz. De linhas imponentes e conforto sem igual, que fascinava quem se hospedava ou quem simplesmente o vislumbrava. (Antigamente em Blumenau)

Depois de alguns anos em uma modesta instalação, a família concluía, em 1902, o novo prédio do Holetz. De linhas imponentes e conforto sem igual, que fascinava quem se hospedava ou quem simplesmente o vislumbrava. (Antigamente em Blumenau)

De salão a sala de cinema – O Cine Busch

Ao lado do hotel, havia também o Salão Holetz, que virou palco das primeiras e tantas exibições cinematográficas que movimentavam a cidade, especialmente nos fins de semana. E isto muito antes de muita cidade grande neste estado e no país. Em 1907, o salão passa as mãos do empresário e idealista nato Frederico Guilherme Busch Sr., que instala ali, oficialmente em 1919, o cinema que levava o nome da família e, igualmente, marcaria história: O Cine Busch.

O Salão Holetz, atrás do Hotel, em 1905. O casarão, point da época, seria palco das primeiras projeções do Cine Busch, que em 1940 inauguraria um novo prédio no local.

O Salão Holetz, atrás do Hotel, em 1905. O casarão, point da época, seria palco das primeiras projeções do Cine Busch, que em 1940 inauguraria um novo prédio no local.

O lugar passa a ser um verdadeiro point da cidade, convidando os blumenauenses a assistir as projeções de películas, na grande maioria, produzidas na Europa. Na década de 30, o cinema muda de lugar, ocupando provisoriamente o antigo salão do Clube Náutico América. No seu lugar, um novo prédio brotaria, mais moderno e espaçoso para um publico que cada vez mais aumentava. A inauguração foi em 29 de junho de 1940, com o filme Allianz – Adolescência de Uma Rainha. A sala passou a ter 740 poltronas, além de um balcão com mais 440 lugares.

A majestade e classicismo do Cine Busch foram irretocáveis até o dia derradeiro, em 1993, quando o cinema de rua mais antigo da cidade sucumbiu as dificuldades e a competitividade com o jovem VHS e veio a fechar as portas para sempre, permanecendo apenas no imaginário de uma cidade nostálgica. Certamente, num futuro próximo, A BOINA vai contar muito mais sobre o velho Cine Busch. Aguardem!

A imponência do Cine Busch, que tomou definitivamente o lugar do antigo Salão Holetz, em 1940. Um dos mais badalados e movimentados points blumenauenses até 1993, quando encerrou as atividades. Hoje, encontra-se fechado a espera de um novo futuro. (Antigamente em Blumenau)

A imponência do Cine Busch, que tomou definitivamente o lugar do antigo Salão Holetz, em 1940. Um dos mais badalados e movimentados points blumenauenses até 1993, quando encerrou as atividades. Hoje, encontra-se fechado a espera de um novo futuro. (Antigamente em Blumenau)

Desaparece o Holetz, levanta-se o Grande Hotel

Os anos passaram, o Holetz continuava sólido no mesmo lugar, parecendo um gigante imbatível. Mas os tempos mudaram, a concorrência também e muita coisa ia fazendo o jeito de trabalhar com hotelaria se modificar. O Hotel Rex, inaugurado em 1950 como um presente pelo centenário, impôs uma dura competição ao velho hotel. Além disto, outros fatores prováveis, como escassez de recursos e investimentos na estrutura e modernização para atender a um público ainda mais exigente e um certo desinteresse em tocar o negócio foram complicando ainda mais a situação.

Hotel Rex na Rua 7. Inaugurado em 1950, no centenário da cidade, era um forte concorrente ao Holetz nos tempos derradeiros do hotel da Alameda (Antigamente em Blumenau)

Hotel Rex na Rua 7. Inaugurado em 1950, no centenário da cidade, era um forte concorrente ao Holetz nos tempos derradeiros do hotel da Alameda (Antigamente em Blumenau)

Em 1962, o Grande Hotel Blumenau era terminado, trazendo uma estrutura imponente e renovada para o um hotel no lugar do antigo Holetz. Junto do Grande Hotel estavam o Restaurante e Confeitaria Aquarium e a sede blumenauense do Banco Inco, hoje Bradesco (Antigamente em Blumenau)

Em 1962, o Grande Hotel Blumenau era terminado, trazendo uma estrutura imponente e renovada para o um hotel no lugar do antigo Holetz. Junto do Grande Hotel estavam o Restaurante e Confeitaria Aquarium e a sede blumenauense do Banco Inco, hoje Bradesco (Antigamente em Blumenau)

Sem rumos a tomar, a estrutura foi impiedosamente colocada abaixo em 1959, para iniciarem as obras de outra estrutura tão majestosa quanto a original, apesar de mais fria nas linhas. Tres anos depois, em 1962, imperaria na mesma esquina o Grande Hotel Blumenau, um marco da engenharia da cidade, que colocava o prédio como o mais alto do estado por alguns anos. A estrutura ainda abrigava no mesmo lugar a sede blumenauense do antigo Banco Inco (hoje, Bradesco) e a clássica Confeitaria Aquarium, um dos tantos sinônimos de doces finos na cidade.

Nos 11 andares do Grande Hotel, distribuíam-se 88 quartos, sendo 12 deles suítes de luxo. Haviam ainda um completo restaurante e um moderno centro de convenções com três auditórios, responsáveis por colocar a cidade na rota de vários congressos, simpósios e encontros de caráter nacional. O herdeiro da história do Holetz parecia estar cumprindo o papel com louvor, e estava mesmo. Era um dos mais concorridos hotéis da cidade, fazendo frente em igualdade de condições com o Rex, o Himmelblau, o Gloria e o Baviera, entre outros.

O gigante desaparece e decai, a história fica

Mas, assim como o Holetz, a majestade do Grande Hotel também teria um fim melancólico. Envolto em uma dívida de R$ 20 milhões, o tradicional ponto acabou tendo a falência decretada pela justiça em novembro de 2014, depois de não pagar nem parte da dívida. Sequentes reclamações e a falta de outra fonte de incremento da receita acabaram por minar de vez o agora velho hotel. A Confeitaria Aquarium, fechada há alguns anos, tinha dado lugar ao luxuoso Restaurante The Grove, que também sucumbiu aos problemas financeiros alguns anos antes.

O desaparecimento do Grande Hotel Blumenau foi um baque sem precedentes para a industria hoteleria da cidade-jardim. Isto porque um ano antes o município perdia também o tradicional Viena Park Hotel, no Garcia, também envolto em uma divida gigantesca. Mas, ao contrario do Viena, cujo leilão já consolidado vislumbra-se algum futuro para breve, o Grande Hotel permanece sob administração judicial dos bens pelo advogado André Jenichen e ainda não há previsão sobre um possível leilão da estrutura. Decadente, pichado e lar de andarilhos e usuários de drogas, o fim do Grande Hotel parece ainda durar por muitos anos sem previsão de melhora.

A decadência: Falido, pichado, lar de andarilhos... A imponente torre do Grande Hotel espera por dias melhores. Não há previsão para um leilão dos bens da estrutura, que encontra-se sob administração judicial (André Bonomini)

A decadência: Falido, pichado, lar de andarilhos… A imponente torre do Grande Hotel espera por dias melhores. Não há previsão para um leilão dos bens da estrutura, que encontra-se sob administração judicial (André Bonomini)

O mesmo diz respeito também ao antigo prédio do Cine Busch, onde chegou-se a ser feito planos para uma abertura de um centro de convenções por parte dos administradores do Moinho do Vale há alguns anos. No entanto, a estrutura segue fechada e largada as traças, esperando algum destino decente num futuro melhor.

Dois pontos da cidade-jardim que muita história guardaram e ainda guardam, especialmente para aqueles que lembram bem de um tempo distante. Tempo de classicismo e diversões. De um cinema badalado e de um simpático hotel que primeiro foi o identificador de Blumenau pra o estado e para o país.

Uma galeria simples, veja:

O majestoso Holetz, assim como o imponente Grande Hotel, caíram. A história, não. E fica a torcida para que, ao menos desta vez, ela tenha um final feliz.

Um comentário sobre “Antigamente: A majestade do Hotel Holetz, a imponência do Grande Hotel (e a infeliz decadência)

  1. André, simplesmente fantástico!
    Cada dia o amigo se torna um pesquisador e memorialista de nossa Blumenau. Seu trabalho de pesquisa é notável.
    O Hotel Holetz se conservado e existisse no local, seria o edifício mais notável e mais fotografado de Blumenau. De 1902 até março de 1959 o Hotel Holetz foi imponente, era o cartão postal de nossa cidade. Chegou o “Progresso” e como não existia uma forte campanha de tombamentos na cidade, o Hotel Holettz veio abaixo em março de 1959, dando lugar ao Grande Hotel inaugurado em 16 de dezembro de 1962, que hoje se encontra em situação deplorável, Mas o Grande Hotel representou também o maior empreendimento hoteleiro do estado de SC. Eu era “pia” mas acompanhei todo processo de construção do Grande Hotel.
    Como diz o amigo Zé Pfau.
    Em 1962 quando foi inaugurado. Embora “destruímos” uma edificação maravilhosa, a cidade nos anos 60 – o nosso Banco Inco – fez o Grande Hotel Blumenau – que foi no seu lançamento uma referencia internacional em Hotelaria (José Geraldo Reis Pfau).
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s