Super 8 – Kodak volta ao tempo e revive revolução da filmagem

Eis a nova Super 8. Kodak revive a revolução na arte cinematográfica com releitura do grande sucesso, para uma nova geração de aventureiros do cinema (Meio Bit)

Eis a nova Super 8. Kodak revive a revolução na arte cinematográfica com releitura do grande sucesso, para uma nova geração de aventureiros do cinema (Meio Bit)

O saudosismo na tecnologia está mesmo em voga. Nem bem a Panasonic anunciou a volta da marca Technics em toca-discos e em todos os equipamentos de áudio da marca nipônica, a Kodak resolveu entrar na onda retro e reviver uma das maiores revoluções, seja na filmagem caseira ou nas pequenas produções independentes. Foi anunciada na Consumer Eletronics Show (CES) 2016, promovido na segunda semana do ano em Las Vegas, que a histórica marca de George Eastman relançou a clássica filmadora Super 8, responsável por dinamizar a filmagem cinematográfica a outro nível.

Sucesso do passado em famílias de posse e para produtores com pouca grana para produções, a Super 8 foi lançada em 1965, representando um avanço de qualidade nos filmes de oito milimetros (8mm). Com o produto, qualquer um poderia se tornar uma espécie de diretor de filme e, com um pouco de inventividade, produzir verdadeiras obras em celuloide, desde filmes caseiros familiares a películas independentes. É este mesmo nicho – o dos futuros cineastas – que a Kodak pretende atingir com a nova Super 8.

Veja o site especial da Super 8 (em inglês)

A Kodak sempre foi marcada pela revolução. A primeira na fotografia foi ela mesma que fez, com a Brownie, em 1900. Aqui, um modelo mais recente da câmera (Chuck Baker)

A Kodak sempre foi marcada pela revolução. A primeira na fotografia foi ela mesma que fez, com a Brownie, em 1900. Aqui, um modelo mais recente da câmera (Chuck Baker)

Não é surpresa a boa ideia da Kodak. A marca vermelho-e-amarela é conhecida pelas surpresas e revoluções que causou no campo da fotografia e cinema. Foi a Kodak, em 1900, que popularizou a foto a nível mundial com a invenção da pequena gigante câmera Brownie, um triunfo da ainda primitiva arte em imagens. Ainda além da Super 8 e da consagrada linha Instamatic, nos anos 70/80, foi também nas mãos da Kodak que surgiu também a primeira câmera digital do mundo, em 1976, ainda muito rudimentar e que não foi uma tecnologia investida fortemente pela marca, o que representaria anos mais tarde um erro drástico da marca com sérias consequências no futuro.

A volta da Super 8 aparece em um agradável momento para a Kodak. A cada dia, a marca renasce das cinzas depois da previsível falência que a empresa sofreu, em 2012, depois de ser destroçada pela concorrência que apostou maciçamente na tecnologia digital, a mesma que fora desprezada pela Kodak há muitos anos atrás. De volta ao mercado desde o último semestre de 2014, produzindo smartphones, a Kodak tem uma forte divisão de produtos para o cinema, e é nela que a Super 8 volta em grande estilo, celebrada dos mais saudosos aventureiros de fim de semana a nomes consagrados da sétima arte, como Quentin Tarantino e Steven Spielberg.

A clássica Super 8 dos anos 60/70. Filmadora representou revolução, seja para produtores de fim de semana a sonhadores, hoje renomados diretores, como Tarantino e Spielberg (Reprodução)

A clássica Super 8 dos anos 60/70. Filmadora representou revolução, seja para produtores de fim de semana a sonhadores, hoje renomados diretores, como Tarantino e Spielberg (Reprodução)

Objetivos e características do revival

Segundo a empresa, a ideia é colocar o produto diante de uma nova geração de cineastas que procuram um novo estímulo para produções, além de responder às necessidades de diretores experientes e renomados que procuram novas técnicas de filmagem e produção a partir da película de 8mm. A nova Super 8 vem com display de 3,5, portas USB, HDMI e P2 e entrada para cartão SD para captura de áudio conjugado (ela segue o modelo original. Sem SD, ela capta apenas a imagem sem som).

Recursos modernos: Display digital, portas USB, P2 e entrada para cartão SD para captura de audio (Meio Bit)

Recursos modernos: Display de 3,5; portas USB, HDMI e P2; e entrada para cartão SD para captura de áudio (Meio Bit)

Há ainda um completo sistema de assistência e revelação em torno do produto. Ao comprar o filme, o usuário também tem direito a revelação e o acesso ao vídeo finalizado. Para isto, basta despachar o filme aos laboratórios da Kodak, que revelarão a película e a disponibilizarão na nuvem (internet). O filme 8mm também retorna ao portador para reprodução em projetores.

A nova Super 8 deve chegar ao mercado apenas no segundo semestre de 2016, com preços que variam entre US$ 1 mil e US$ 1,5 mil (próximo de R$ 2,5 mil). No entanto, ela deve demorar para chegar ao Brasil. Por se tratar de um sistema fechado, ela estará disponível primeiramente apenas nos EUA, Reino Unido e na Alemanha.

Deixe uma resposta