Otto, cartas e comidinha: Em palavras poéticas, o coração de mãe gigante de Cris Soethe

(Arquivo / Cristiane Soethe)

Mãe e filho. Os registros da jornalista Cristiane Soethe Zimmermann impressionam e nos convidam a uma reflexão pelas experiencias do pequeno Otto, na descoberta do mundo que se mostra a frente (Arquivo / Cristiane Soethe)

Que o coração de uma mãe é um livro de poesias imenso, isso todo bom filho sabe. Ainda mais quando a mãe é uma viajante de primeira odisseia, cujo primeiro rebento é sempre uma experiencia de descobertas, sensações ainda mais intensas de amor e ternura e uma viagem que acompanha passo a passo o nascer de um novo ser, da fofura do tempo de bebe, passando pela infância, adolescência e por ai vai. Fases da vida que nenhuma mãe esquece, e que, se possível, anota com perfeição clínica cada passo e momento do filho ou filha.

Agora pegue esse coração de mãe, inspirado e extasiado, e junte isso ao olho clínico de uma jornalista, que não deixa escapar nenhum momento que possa ser descrito com a finesse que a profissão tem. Nestas andanças ainda breves pelo jornalismo encontrei algumas mães jornalistas cujas histórias são sempre belas vindos de seus herdeiros… A querida Andressa Peixer e a jovem Valentina; A mãezona Nane Pereira e o grande Ian; a super-jornalista Roberta Koki e a cativante Taísa; a eterna chefe Giovana Pietrzacka e o grande Guilherme; a alegre Karina Frainer; a energética Silvia Regina e a doce Ana Rosa;  a querida Marli Rudnik e a dupla Laura e Luiza; a energética Karina Frainer e a doce Sophie e a jovem de Palma Sola Josiane Caitano, no aguardo do pequeno Bernardo… São muitas por Blumenau e pelo Brasil, claro, cada uma com uma história especial.

Mas a elas gostaria de pedir uma breve licença a elas nesta véspera de/Dia da mulher (este post estará em destaque ainda no dia 8) para contar uma história quase poética de mãe e filho. Vem de uma querida professora minha dos tempos da graduação e que, com uma sensibilidade fora do comum, registra os momentos mais ternos da relação mãe-filho num fantástico e simples blog, além de contar as outras mães o que apronta de saudável na cozinha para o pequeno herdeiro: Trata-se da sempre jovial Cristiane Soethe Zimmermann e o querido Otto.

Cartas dizem muito

(Arquivo / Cristiane Soethe)

Ideia de registrar experiencias e momentos em cartas surgiu ainda na gravidez, algo bem mais concreto do que uma simples fotografia. É uma maneira de nós mesmos nos lembrarmos, daqui a alguns anos, de algumas das emoções pelas quais passamos neste período. (Arquivo / Cristiane Soethe)

A ideia de um blog de registros que é o Cartas para Otto surgiu quando Cris estava no período da gravidez, enquanto procurava uma forma especial de Eu havia pensado em formas de deixar para o Otto algumas memórias de como foi a espera por ele e os primeiros anos de vida, Eu tinha certeza que seria uma época muito marcante para nós, mas que ele não se lembraria de nada do que aconteceu. Além disso, é uma maneira de nós mesmos nos lembrarmos, daqui a alguns anos, de algumas das emoções pelas quais passamos neste período, conta Cris.

Nos textos, está exposto em cada palavra, virgula e acento uma história, um momento, algo que o pequeno Otto descobriu no início de sua jornada. O primeiro dia no mar, o primeiro dia das mães, a primeira caminhada, passeio, viagem. Nada daquele estilo diário que chega a ser massante. Cada um dos textos tem alguma coisinha de especial que faz da leitura um momento de reflexão e emoção, como se nós mesmo, de alguma maneira, nos colocássemos nos olhos de Cris, observando todas as descobertas do filho tal como se ela mesma fosse uma jovem criança descobrindo as coisas da vida.

(Arquivo / Cristiane Soethe)

O trio: Cris, Otto e o pai leão, Sylvio Zimmermann Neto (Arquivo / Cristiane Soethe)

A repercussão dos textos tem trazido um contato muito mais profundo das experiencias de Otto, Cris e do bom pai, Sylvio Zimmermann Neto, do que seria se simplesmente as únicas recordações fossem meras fotografias. O iconográfico está presente no site, mas não sozinho deduzindo a sensação, traz consigo a descrição quase poética de uma mãe.Ver uma fotografia não dá a dimensão exata dessas emoções. Nos textos, podemos descrever com mais detalhes e reviver esses sentimentos mais tarde. Foi aí que surgiu a ideia do blog, explica Cris.

E quanto a exposição? Sabemos que o Brasil, nesta história sensível toda, as vezes digere exageradamente ou acha errado que algo assim seja visto a quem queira na internet, uma terra cruel e sem lei neste país. Mas Cris tem seu cuidado, é ela a personagem central, Otto é a motivação para escrever e experiencias, de quaisquer formas para contar, são válidas para qualquer mãe de primeira viagem.

Na verdade eu acredito que a exposição é mais minha do que dele, são meus sentimentos que estão lá expostos, minhas próprias experiências. Embora ele seja o protagonista de toda a história, eu conto os momentos pelos quais eu estou passando e como todo o desenvolvimento dele mexe comigo. Tenho recebido muitos comentários de pessoas que passaram ou estão passando pelas mesmas emoções e se sentem de alguma maneira tocadas com o que eu escrevo no blog, porque compartilham das mesmas angústias, alegrias, frustrações, descobertas, conta.

Comidinhas muito além da papinha

(Arquivo / Cristiane Soethe)

Krautwickel. Prato típico alemão em versão mini e saudável feita sob medida para Otto. Um dos destaques do Comida de Verdade, Bebe! Onde comida saudável e livre de industrializados é a ordem para Cris e todas as mães. A propósito, a receita está la, da um click! (Arquivo / Cristiane Soethe)

Em outro espaço, Cristiane arregaça as mangas e mostra, no seu lado maternal, a inspiração para criar um menu de deliciosas e inquestionavelmente saudáveis refeições que param vez em beira na mesa do pequeno Otto. O Comida de Verdade, Bebe! é um espaço com as mais variadas receitas de pratos para todo o momento – lanche, almoço, jantar, sobremesa – que fazem a alegria das crianças e das mães, que tem certeza de estarem preparando refeições saudáveis e, igualmente, saborosas.

A alimentação sempre foi uma das minhas grandes preocupações com relação ao Otto. Desde a gestação leio muito a respeito e sempre quis oferecer a ele uma alimentação saudável, natural, não industrializada, não processada, enfim, o que eu costumo chamar de “comida de verdade”, até porque essa é a filosofia alimentar da família, aponta Cris ao explicar sobre o espaço. No blog, receitas pessoas, de portais especializados, variações de pratos populares e dicas de chefs de renome ilustram a página com os mais diferentes sabores que encantam o paladar de qualquer pequeno.

Sempre gostei muito de cozinhar e para o Otto, então, tenho um prazer enorme em fazer isso. Como eu crio muitas receitas para ele e sempre estou testando coisas novas, resolvi criar o blog para compartilhar essas receitas e trocar experiências com outras mães. A ideia é sugerir pratos diferentes para os bebês e crianças, mas também aprender, buscar informações de outras mães que queiram também me passar suas receitas, mostrar outras formas de preparo, outros ingredientes, etc, arremata.

Ok, sendo assim, Cristiane dá o recado em duas receitas do blog que destacamos aqui em A BOINA. Uma pitada apenas do que se encontra no espaço:


– Creme Verde

(Arquivo / Cristiane Soethe)

(Arquivo / Cristiane Soethe)

É um creme verde que o Otto adora! Eu inventei esse creme quando eu quis começar a apresentar diferentes tipos de cores na comida para ele. É super simples e bem gostoso!

Vamos lá:

Ingredientes:

  • 1 pacote de ervilhas congeladas
  • 1/2 maço de brócolis
  • agrião (a gosto)
  • 4 filezinhos de frango (daquele tipo sassami)
  • meia xícara de aveia em flocos
  • Temperos para o cozimento do frango: alho e coentro.

Rende umas quatro a cinco porções.

Modo de preparo:

Eu começo cozinhando as ervilhas com água suficiente para cobri-las até ficarem macias. Ao mesmo tempo, em outra panela, coloco o frango para cozinhar com um dente de alho e um pouco de coentro. Depois de cozido o frango, tiro da panela, desfio e corto bem miudinho, amasso o dente de alho e misturo. Pode coar o caldo que ficou do cozimento do frango e cozinhar o brócolis neste caldo.

Depois, eu bato a ervilha cozida no liquidificador com o agrião. Quando o brócolis ainda está “al dente” eu misturo o frango picadinho e o creme de ervilhas com agrião, a aveia e deixo cozinhar mais um pouco até ficar cremoso. Uma dica é não colocar muita água para o cozimento do frango e, consequentemente, do brócolis, para não deixar o creme muito aguado. Se for preciso, descartar um pouco da água do brócolis. Não gosto de fazer isso porque neste líquido ficam as vitaminas, então prefiro usar pouca água.


– Bolo de banana e coco (Sem açúcar e sem glúten)

(Arquivo / Cristiane Soethe)

(Arquivo / Cristiane Soethe)

Esse bolinho de banana fica uma delícia (até eu como!) e é super fácil de fazer.

Ingredientes:

  • 3 bananas bem madurinhas
  • 100 ml de leite de coco
  • 100 gramas de coco ralado
  • uvas passas (a gosto)
  • 2 ovos
  • canela para polvilhar

Rende uns oito bolinhos.

Modo de preparo:

Bata no liquidificador todos os ingredientes, menos o coco ralado. Depois de bem homogêneo, misture o coco. Leve ao forno em forminhas de cupcake e polvilhado com canela por uns 25 a 30 minutos (180 graus).


Repercussões e futuro

(Arquivo / Cristiane Soethe)

Otto solta o sorriso! A repercussão positiva surpreende para quem começou o diário sem nenhum pretensão que não fosse ser um registro simples e cálido. Tornou-se molde e reflexo de muitas mães pela cidade e, por que não, pelo país (Arquivo / Cristiane Soethe)

De ideias nascidas por acaso, os blogs ganharam uma visibilidade e deram um retorno nada esperado para Cris, que os criou sem nenhuma pretensão maior, uma vez que com a rotina corrida diante dos trabalhos na Presse – Assessoria que comanda junto de Fernanda Momm e parceira de A BOINA – rever memórias e compartilhar experiências é quase um passatempo para uma mente por vezes atarefada. O de receitas, mesmo, me surpreendeu muito. Na primeira semana eu já tinha mais de mil visualizações e tinha até saído uma nota no jornal sobre ele. Vi que as mães realmente estão buscando informações e precisam de referências. O blog de cartas também tem tido um acompanhamento bacana, as pessoas me escrevem dizendo que passaram pelas mesmas situações, que compartilham dos mesmos sentimentos, explica Cris.

Números de acessos e de comentários não querem dizer muita coisa, na verdade.
Embora que relatos de outras mães que vivem as mesmas sensações são valiosos e gratificantes por toda esta dedicação expressa em verdadeiras crônicas poéticas e em receitas feitas com amor (e não com Sazon). O mais importante é ver refletida em cada palavra e criação todo o amor de uma mãe pelo filho, ou melhor, de uma mãe jornalista pelo filho, cujas palavras parecem soar muito mais docemente a Otto do que simples fotos em papel ou digitais.

Este jornalista que vos escreve e a querida professora. O abraço de A BOINA a querida Cris, que nos permite viajar na mente de uma criança a descobrir o mundo sempre com curiosidade e espanto, como faz Otto abaixo (André Bonomini |Arquivo / Cristiane Soethe)

Este jornalista que vos escreve e a querida professora. O abraço de A BOINA (e deste ex-aluno, por que não?) a querida Cris, que nos permite viajar na mente de uma criança a descobrir o mundo sempre com curiosidade e espanto, como faz Otto abaixo (André Bonomini |Arquivo / Cristiane Soethe)

miudezas

Realmente, navegar por ambos os espaços provoca sensações reconfortantes em quem degusta os textos e as ideias, é como se cada um fosse um Otto, imaginando novamente aqueles momentos cálidos de nossas infâncias, dos primeiros passos ao primeiro dia na escolinha, na creche, onde for. Os retratos brilhantemente escritos por Cristiane para Otto são o reflexo destas experiencias que vivemos e que assistimos com olhar de curiosos e extasiados o discorrer das poesias da vida deste pequeno que descobre o mundo.

O mais bonito do papel de mãe eu acredito que seja a doação. Nós somos capazes de nos doar completamente e não esperamos nada em troca, apenas a felicidade dele. A gente aprende a ser menos egoísta, sabe? Tem alguém que precisa de você para tudo e você é capaz de fazer qualquer coisa para protegê-lo. Acho que o mais legal de tudo vai ser quando ele for adulto e reler as cartas, pensar na nossa relação, no amor que temos por ele, nas emoções vividas, etc…

Certamente, Cris, ele não vai nem saber o que falar sobre tudo isso. Todo o sentimento, prevejo, selara-se-á num abraço carinhos em você e em Sylvio. Mais um daqueles lances que a vida carinhosamente há de registrar, em momento e em poesia.

Um comentário sobre “Otto, cartas e comidinha: Em palavras poéticas, o coração de mãe gigante de Cris Soethe

Deixe uma resposta