Mulher e Jornalismo: O toque feminino à notícia nas ondas da CBN Vale do Itajaí

Denise, Laide, Gislaine e Ghlenda. A linha de frente dos microfones da CBN, o toque feminino no ambiente frenético da notícia (Reprodução)

(esq-dir) Denise, Laide, Gislaine e Ghlenda. A linha de frente dos microfones da CBN, o toque feminino no ambiente frenético da notícia (Arquivo / CBN)

Ha algum (muito) tempo, a mulher deixou de ser uma simples dona de casa. Largou de lado quase que por completo a obrigação de exercer a função de cuidar do lar e do marido tal como pregavam insistentemente os tantos Jornal das Moças dos longínquos anos 50. Hoje, a mulher é uma profissional que compete em igualdade de condições contra os homens em muitas funções, muito embora há ainda quem duvide da sua capacidade e a trate com desrespeito e desigualdade. Coisas que doem a qualquer bom cavalheiro e sensato homem que lê estas linhas.

Em qualquer função que exerça na vida, a mulher traz muito mais que a força que faz parte de sua natureza, mas um toque de sensibilidade, de detalhismo ainda mais apurado, e uma certa delicadeza em tocar adiante até mesmo as missões mais cabeludas que com elas param. No jornalismo brasileiro, e centralizando em Blumenau, isto é mais do que visível. Em alguns locais, a presença feminina na linha de frente da notícia é quase unanimidade, muitas empresas tem nos quadros contingentes femininos impressionantes, que tocam com um olhar clínico inigualável matérias e trabalhos tão bem quanto nós, os bons homens.

Seja TV, jornal, assessoria ou rádio, elas estão la cada vez mais dando o ar da graça com todos os méritos. Por estas andanças ainda breves no jornalismo blumenauense já encontrei-as nas mais diferentes funções e missões no dia a dia. Mas não há case mais incrível nesta relação da mulher com a linha de frente da notícia do que um em especial que é destaque de A BOINA neste 8 de Março. Está num simples edifício na cosmopolita Rua Ângelo Dias. Trata-se do time feminino de jornalistas da filial citadina da Central Brasileira de Notícias, ou como carinhosamente é chamada, a CBN.

Três letras e um slogan de peso. Eis a Central Brasileira de Notícias - CBN - Que desde 1991 é o expoente maior no radiojornalismo brasileiro (Reprodução)

Três letras e um slogan de peso. Eis a Central Brasileira de Notícias – CBN – Que desde 1991 é o expoente maior no radiojornalismo brasileiro (Reprodução)

Fundada em 1991 nas cercanias do Sistema Globo de Rádio, a tradicionalíssima CBN completa este ano 25 anos de uma empreitada fabulosa no rádio brasileiro. É a maior no segmento radiojornalismo no país, uma verdadeira Meca dos radiojornalistas (como eu) que sonham ávidamente em integrar o cast de sucesso que conta com nomes como Carlos Alberto Sardenberg, Roseann Kennedy, Milton Jung e outros tantos feras deste ramo do rádio brasileiro.

Em Blumenau, a CBN aportou em meados dos anos 90, chancelada pela Rede Fronteira de Comunicação, já presente na cidade desde 1986, fruto da iniciativa do então advogado e professor Carlos Alberto Ross. Primeiramente, a RFC instalou a CBN Vale do Itajaí (como é chamada) na frequência 820 AM, passando-a anos depois ao canal 95.9 FM, anteriormente ocupado pela Band FM.

Edifício Ângelo Dias, na rua do mesmo nome. A sede da Rede Fronteira de Comunicação (RFC), onde abrigam-se as radios Globo AM - 820 - e a CBN Vale do Itajaí, no 95.9 (Reprodução)

Edifício Ângelo Dias, na rua do mesmo nome. A sede da Rede Fronteira de Comunicação (RFC), onde abrigam-se as radios Globo AM – 820 – e a CBN Vale do Itajaí, no 95.9 (Reprodução)

De nome, a CBN já assusta logo de cara pela magnitude do trabalho e pela presença que tem no cenário radiofônico brasileiro. Mas, especialmente aqui em Blumenau, talvez o maior selo de sua presença seja a trupe feminina que, atualmente, praticamente se coloca como linha de frente no jornalismo da emissora. Ao todo, são 10 mulheres que ladeiam-se pelos corredores da sala e dos estúdios no sexto andar do Edifício Ângelo Dias, mas diante os microfones, cinco jovens dão o tom da notícia para todo o Vale: A super-experiente Denise Bichiling, a sutil Laide Braghirolli, a sorridente Ghlenda Salcedo, a sempre simpática Gislaine Delabeneta e a querida moça da cultura Cássia Travesso.

Impressiona, não é? Esta convivência entre o microfone e os cochichos femininos, coisa corriqueira entre amigas nos momentos de breve respiro, parece ter tornado o ambiente corrido e duro da informação numa agradável hora de trabalho no vai-e-vem da notícia pela CBN. Mesmo órfãos há pouco tempo da voz marcante de Celso Ferreira, as moças da redação foram duras na queda e a missão de levar as notícias sempre pontualmente e com precisão no Notícia na Manhã – principal jornalístico regional da emissora – foi matada no peito com louvor e uma pitada de blush.

Nataniel Oliveira: (Reprodução)

Nataniel Oliveira: Além de competentes profissionais, são amigas, extrovertidas e simpáticas, sempre procurando auxilar os colegas que necessitam de ajuda (Arquivo / CBN)

Este profissionalismo único é motivo de inspiração e elogios de quem divide a guerra diária da informação, seja um iniciante ou um veterano de longa estrada, como Nataniel Oliveira. Lenda viva da crônica policial da cidade, o jornalista não esconde o orgulho de ter ladeando-lhe os microfones companheiras de tal calibre nos microfones da CBN. O ar de nossa sala de jornalismo fica mais perfumado com suas presenças. Além de competentes profissionais, são amigas, extrovertidas e simpáticas, sempre procurando auxilar os colegas que necessitam de ajuda.  É muito gratificante trabalhar ao lado dessas beldades, diz.

Bruna Evelin, a sorridente recepcionista da CBN. Inspiração na boa casa para seguir os passos das amigas: (Reprodução)

Bruna Evelin, a sorridente recepcionista da CBN. Inspiração na boa casa para seguir os passos das amigas: Me orgulho de cada mulher ou melhor de cada profissional que me faz aprender e me faz ter mais vontade de exercer a profissão que elas escolheram: O jornalismo (Arquivo)

Em um caso muito especial, a rotina de nossas heroínas de traje azul é motivo de uma inspiração impossível de ser contida neste correr da carruagem. Ainda iniciando a odisseia pelas veredas do jornalismo, a jovem e sorridente recepcionista da casa Bruna Evelin toma esta rotina alucinante mas adornada pela presença feminina na notícia como um ponto de inspiração no sonho de ser uma boa jornalista, coisa que pela declaração que nos dá, deixa claro que a ambição será sim alcançada com louvor. Não só aprendo com cada uma, mas também as vejo como guerreiras, persistentes no que querem e jamais desistem de suas notícias, fortes e mesmo cansadas, elas dão ainda jeito de sorrir. Não só me orgulho dessa rádio, mas como também me orgulho de cada mulher ou melhor de cada profissional que me faz aprender e me faz ter mais vontade de exercer a profissão que elas escolheram: O jornalismo, explica. Ela está bem certa e não duvido que será mais uma firmemente alicerçada nesta estrada.

Carlos Alberto Ross, diretor-presidente da RFC: (Arquivo / CBN)

Carlos Alberto Ross, diretor-presidente da RFC, e o destaque a excelência e meticulosidade do trabalho feminino, sobretudo no jornalismo: Merecidamente cada vez mais a mulher está conquistando o seu verdadeiro espaço no mercado de trabalho (Reprodução / CBN)

O toque feminino em cada faceta do jornalismo é, sem dúvida, o que está transformando a nobre profissão, revirando a frieza dos textos crus e colocando em cada informação o detalhismo natural, a sensibilidade, a delicadeza no ler e produzir e, acima de tudo, mostrando em cada empreitada uma força e meticulosidade incomparáveis, seja na briosa CBN ou em qualquer outro veículo da mesma natureza. Trabalhar com mulheres é sempre um privilégio, pois além do ambiente ser mais perfumado e organizado, também as tarefas são cumpridas com maior dedicação e aprimoramento constante. Merecidamente cada vez mais a mulher está conquistando o seu verdadeiro espaço no mercado de trabalho, destaca o diretor-presidente da RFC, Carlos Alberto Ross.

Realmente, o sempre estimado Dr. Ross não poderia estar mais certo. Em cada mulher um ponto mais de dedicação e amor ao trabalho está embutido. Um saudável plus que transforma ambientes, produção e uma profissão em si.

Ross (ao microfone) e elas, todas elas, as belas que fazem a filial blumenauense da radio que toca notícia um pouco mais bela e perfumada (Reprodução / CBN)

Ross (ao microfone) e elas, todas elas, as belas que fazem a filial blumenauense da radio que toca notícia um pouco mais bela e perfumada (Arquivo / CBN)

Mas, com o pedido de licença ao Dr. Ross… O que dizem elas, as moças que comandam os microfones da CBN? Com a palavra, elas mesmas:


Denise Bichiling – Ancora

(Arquivo/ CBN)

Estou na rádio CBN há 19 anos. Comecei com 18 anos, essa relação com o rádio blumenauense, em especial com a CBN. O mais engraçado, é que não vi o tempo passar, e parece que foi ontem que estava iniciando essa carreira de radialista, isso la em 1997.

Na Rádio CBN especialmente, o nosso jornalismo é ainda mais especial, por contar com uma equipe formada por mulheres, na sua maioria. Além do profissionalismo, a amizade, parceria, companheirismo e dedicação redobrada, podem ser citadas como marcas dessa equipe feminina e compromissada com a notícia.


Laide Braghirolli – produtora e repórter

LaideBlaizer

(Arquivo / CBN)

Sou jornalista por escolha e por paixão, desde pequena sempre fui muito tímida, por mais que não pareça. E foi na comunicação que realizei muitos dos meus sonhos e ainda almejo muito mais.

A cada dia aprendo e ensino nesta área de trabalho. Já tive muitas bênçãos em minha vida e uma delas é trabalhar com pessoas excelentes, amigas, companheiras e na CBN Vale do Itajaí, não é diferente. A turma é composta por pessoas maravilhosas e na sua maiorias mulheres, que fazem acontecer, que buscam a informação correta e a melhor maneira de transmitir a notícia.

Neste dia especial das mulheres, reforço, o quanto é gratificante ter um time feminino ao lado para compartilhar ideias, brincadeiras, briguinhas, stress, fofocas (risos) e saber que podemos contar com apoio dessas colegas.


Cássia Travesso – Editora de Cultura

(Reprodução / CBN)

(Arquivo / CBN)

Parabéns à nós mulheres da CBN Vale do Itajaí, pois somos capazes de amenizar dores, suavizar caminhos, apaziguar conflitos, secar o pranto, gerar vidas e amar sem medidas.

Este é o diferencial de trabalhar numa rádio, onde a maioria é mulher…

 

 


Ghlenda Salcedo – Repórter

Reprodução / CBN)

(Arquivo / CBN)

Trabalhar num jornalismo cheio de mulheres é, no mínimo, engraçado. Dividimos todos os momentos importantes da vida, rimos juntas, brincamos muito, e nas épocas de TPM brigamos e choramos todas juntas também. 

É um prazer trabalhar com mulheres tão profissionais, tão competentes e tão humanas ao mesmo tempo. Símbolos de mulheres fortes, bem sucedidas, exemplo para outras mulheres nesta luta da vida e da sociedade que é ser mulher. 


Gislaine Delabeneta – Repórter

Reprodução / CBN)

(Arquivo / CBN)

Dividir o ambiente de trabalho com tantas mulheres é compartilhar histórias, momentos, experiências de vida, a promoção da loja, o rímel e a sensibilidade. É a dedicação para que tudo saia da melhor maneira possível. É o olhar peculiar para selecionar cada palavra. É saber lidar com as diversas e adversas situações do dia a dia. É querer resolver tudo ao mesmo tempo.

É mostrar que o profissionalismo está acima de tudo, mesmo sabendo que todas ao seu lado também estão na TPM.


Pois bem, jovens, que assim sigam felizes e sorridentes esta jornada dura e fabulosa no universo da notícia. Tantas outras lhes fazes companhia Brasil afora e, como todo bom jornalista, as espero no dia seguinte para mais um bom noticiário radiofônico. Sempre com aquele toque tão especial que só a mulher, ser fascinante e radiante, consegue dar.

Este mundo rosado do jornalismo…

(Arquivo / CBN)

(Arquivo / CBN)

Deixe uma resposta