Gramming & Marbles (MotoGP): No Catar, Lorenzo começa 2016 como terminou 2015…na frente

Domando a Yamaha, Lorenzo continua firme e forte como terminou 2015: A frente. Vitória no Catar, no entanto, veio depois de muita luta, não com Rossi e nem com Marquez... Mas com as Ducati (Reprodução)

Domando a Yamaha, Lorenzo continua firme e forte como terminou 2015: A frente. Vitória no Catar, no entanto, veio depois de muita luta, não com Rossi e nem com Marquez… Mas com as Ducati (Reprodução)

(Douglas Sardo)

Após cinco meses de férias, a MotoGP voltou com a corrida de abertura no Catar, no circuito de Losail. O atual campeão Jorge Lorenzo confirmou seu favoritismo e venceu a prova de abertura da nova temporada, mostrando que as Yamaha continuam sendo a força dominante do grid. Seus principais rivais, porém, não começaram tão bem assim. Marc Márquez não conseguiu superar a Ducati de Andrea Dovizioso e foi apenas terceiro, e Valentino Rossi foi um discreto quarto lugar.

Mudanças de pneus, e eletrônica com “motos de 2008”

ecu

A central eletrônica – ou ECU – da Magnetti Marelli para a MotoGP em 2016 (Reprodução)

Após o período de folga, a MotoGP voltou com algumas modificações. Com a saída da Bridgestone, a Michelin passou a ser a fornecedora oficial de pneus da categoria, trazendo como novidade um composto intermediário para situações mistas com pouca chuva.

A outra grande mudança foi no gerenciamento eletrônico das máquinas. Em 2016, todas as motos terão que usar a central eletrônica padrão da Magnetti Marelli, que é o software de controle de motor e chassis. Essa mudança busca tornar a pilotagem mais difícil, para que o piloto faça mais diferença. Sobre essa modificação, durante os testes, doutor Valentino Rossi foi enfático e declarou que guiar essas motos é como guiar as motos de 2008.

As opções de pneus da Michelin disponiveis para os pilotos em 2016. Marca francesa substitui a Bridgestone neste ano (Reprodução)

As opções de pneus da Michelin disponiveis para os pilotos em 2016, com a opção para pouca chuva (power inter). Marca francesa substitui a Bridgestone neste ano (Reprodução)


Rivalidades intactas

Durante os testes, algumas coisas já ficavam claras. A Yamaha continua na frente, mas a diferença entre a principal equipe da marca dos diapasões e as equipes Honda, Ducati e Suzuki diminuiu.

O que não diminuiu foi a rivalidade entre Rossi, Lorenzo e Marquez. Durante os testes, em alguns momentos, o clima entre Rossi e Lorenzo parecia tenso, com ambos os pilotos fazendo sinais um para o outro. Essa promete ser a grande história da temporada, como aquela que parece não ter terminado em 2015.


A corrida – Ducatis se misturam entre Yamaha e Honda

Na largada, até que Lorenzo saiu bem, mas foi suplantado pelas Ducati de Ianonne e Dovizioso, que lideraram a primeira parte da prova (Reprodução)

Na largada, até que Lorenzo saiu bem, mas foi suplantado pelas Ducati de Ianonne e Dovizioso, que lideraram a primeira parte da prova (Reprodução)

Confirmando as impressões dos testes, Lorenzo marcou a pole, seguido por Márquez, mas em terceiro, estava Maverick Viñales de Suzuki, em quarto, Andrea Iannone de Ducati, em quinto, Rossi, e em sexto a outra Ducati, de Dovizioso.

Na largada, Lorenzo manteve a ponta, mas as Ducati voaram para cima do espanhol com Iannone em segundo, seguido por Dovizioso. Rossi era quarto, superando Márquez, que era seguido por Dani Pedrosa, e Viñales, que largou muito mal. Ao final da primeira volta, Lorenzo foi engolido pelas duas Ducati. A marca italiana, que não vence uma prova desde 2010, fazia um belo 1-2 com Iannone liderando.

Ianonne e Dovizioso travaram bela - e perigosa - disputa caseira entre as Ducati. No final, apenas Dovi iria ao pódio, já que o xará Ianonne caia no início da segunda metade da prova Motorsport)

Ianonne (29) e Dovizioso travaram bela – e perigosa – disputa caseira entre as Ducati. No final, apenas Dovi iria ao pódio, já que o xará Ianonne caia no início da segunda metade da prova (Motorsport)

Na volta seguinte, foi a vez de Márquez superar Rossi e assumir a quarta posição.
A partir daí, o pelotão da frente, com Iannone a frente de Dovizioso, Lorenzo, Márquez e Rossi tratou de se distanciar do segundo grupo, liderado por Pedrosa. Os cinco primeiros andavam muito próximos, mas Iannone parecia conseguir abrir certa vantagem. Não demorou muito, porém, para que Dovizioso alcançasse seu companheiro de Ducati.

Rossi era burocrático, e enquanto Márquez pressionava Lorenzo, as Ducati travavam um belo duelo particular, trocando algumas vezes de posição, e colocando a corrida da equipe em risco.

Sem atacar, Rossi passou longe de ser ameaça aos ponteiros, acabou num opaco quarto posto Reprodução)

Sem atacar, Rossi passou longe de ser ameaça aos ponteiros, acabou num opaco quarto posto (Reprodução)

Após cinco voltas, Dovizioso estava na ponta quando Iannone foi ao chão, acabando com a possível dobradinha da Ducati, e abrindo caminho para Lorenzo, que não demorou muito para assumir a ponta, liderando até a bandeirada. Márquez esperou até o final para tentar a segunda posição, e conseguiu ultrapassar Dovizioso, mas o italiano conseguiu dar o troco em bom duelo, garantindo o segundo posto. Rossi fez corrida opaca, e pouco ameaçou os líderes.

O duelo entre Marquez esq) e Dovizioso foi a única emoção da última parte da prova. Marc chegou a ultrapassar a Ducati, mas Dovi soube se recuperar bem Reprodução)

O duelo entre Marquez esq) e Dovizioso foi a única emoção da última parte da prova. Marc chegou a ultrapassar a Ducati, mas Dovi soube se recuperar bem (Reprodução)

Classificação final (pontuação)

1-Jorge Lorenzo (Yamaha) – 25 pts
2-Andrea Dovizioso (Ducati) – 20 pts
3-Marc Márquez (Honda) – 16 pts
4-Valentino Rossi (Yamaha) – 13 pts
5-Dani Pedrosa (Honda) – 11 pts
6-Maverick Viñales (Suzuki) – 10 pts
7-Pol Espargaró (Tech 3/Yamaha) – 9 pts
8-Bradley Smith (Tech 3/Yamaha) – 8 pts
9-Hector Barberá (Avintia Racing/Ducati) – 7 pts
10-Scott Redding (Pramac/Ducati) – 6 pts
11-Aleix Espargaró (Suzuki) – 5 pts
12-Eugene Laverty (Aspar Team/Ducati) – 4 pts
13-Alvaro Bautista (Gresini Racing/Aprillia) – 3 pts
14-Jack Miller (Marc VDS Racing/Honda) – 2 pts
15-Tito Rabat (Marc VDS Racing/Honda) – 1 pt

No pódio, alegria dos espanhois Lorenzo e Marquez, festa maior para Dovizioso pela grande prova Reprodução)

No pódio, alegria dos espanhois Lorenzo e Marquez (centro e esquerda, respectivamente), festa maior para Dovizioso pela grande prova (direita) (Reprodução)

A próxima etapa da MotoGP acontece na Argentina, no dia 3 de abril, no magnífico Autódromo Termas de Río Hondo, na província de Santiago del Estero.

Deixe uma resposta