“No Tempo de Ana Bugra”: Urda Alice Klueger lança nova obra em maio

(Nane Pereira / Nane Pereira Comunicação & Arte | Trecho especial de André Bonomini)

Uma volta a uma infância que não se perdeu no tempo e imortalizada está em memoria e livro. A amiga de A BOINA, Urda Alice Klueger, lança No Tempo de Ana Bugra em maio (Reprodução / Nane Pereira)

Uma volta a uma infância que não se perdeu no tempo e imortalizada está em memoria e livro. A amiga de A BOINA, Urda Alice Klueger, lança No Tempo de Ana Bugra em maio (Reprodução / Nane Pereira)

Memória narrativa, tempo, espaço e emoção. Lembranças que abordam um período anterior à ida para a escola, quando o mundo ainda era lido por outros meios que não o dos livros. Época em que a autora vivia na praia de Camboriú (tempo em que ainda não era município) e que voltou a Blumenau, precisamente, para entrar na escola. Esse é o enredo do novo livro da escritora Urda Alice Klueger: No Tempo da Ana Bugra. O lançamento da 24ª obra da escritora ocorre no dia 5 de maio, na Livraria Blulivro, no Shopping Center Park Europeu, em Blumenau, das 18h às 21h30.

Produzido pela Editora Hemisfério Sul, o livro trata de memórias da infância da autora, com foco no fim da década de 50 e início da década de 60.  Segundo Urda, alguns textos foram criados sem a pretensão de fazerem parte de um livro, mas acabaram se adequando ao mesmo. Eram memórias que vinham à tona vertiginosamente e não havia como não escrevê-las, diz a autora.

Para a escritora, advogada e professora universitária Rosane Magaly Martins, recomendar a leitura de No Tempo da Ana Bugra é tarefa fácil. Deitar meus olhos pelos oito textos ambientados em sua memória de criança é me permitir passear com ela, de mãos dadas, pulando poças deixadas pela última chuva, nas ruas de barro que permitiam sentir-nos navegantes, complementa.

Ana Bugra: Uma índia entre as freiras

(André Bonomini)

Órfa durante das crueis caçadas dos bugreiros pelo Vale, Ana Bugra parou nos corredores do Colégio Sagrada Família e no Convento das Irmãs da Divina Providência, onde fez da vida uma linda história, lembrada por muitos até hoje (Adalberto Day)

Órfa durante das crueis caçadas dos bugreiros pelo Vale, Ana Bugra parou nos corredores do Colégio Sagrada Família e no Convento das Irmãs da Divina Providência, onde fez da vida uma linda história, lembrada por muitos até hoje (Adalberto Day)

Curtamente contando a história desta senhora de tantos contos e lembranças dos mais velhos, Ana Bugra foi uma dedicada funcionária do Convento das Irmãs da Divina Providência e do Colégio Sagrada Família, sendo querida por todos que a volta dela tiveram a honra de conviver.

Órfã, Ana perdeu os pais numa cruel caçada dos bugreiros pelas matas da ainda virgem cidade, que visavam expulsar os índios (ou, como chamavam, os bugres, das terras da pequena cidade). Foi entregue as freiras da Divina Providência no início do século XX, recebeu o nome de Ana e foi educada no próprio convento.

Prestativa e muito amável, Ana Bugra é lembrada até hoje por ex-alunos do Sagrada Família, hoje ostentando cabelos brancos, que recordam das atividades que ela desempenhava, sempre com muito amor, especialmente na horta, que cultivava dedicadamente. Não sabia exatamente a sua idade e, por isso, celebrava o aniversário junto com o aniversário do Colégio. Morreu de causas naturais no correr da década de 60, quando ultrapassara os 100 anos de vida (segundo os calculos dela).

O grande Adalberto Day conta, com depoimentos da sorridente Lorena Karasinski e do super jornalista Carlos Braga Muller mais sobre esta inesquecível índia que virou história da cidade. É só clicar neste parágrafo!

Urda, amiga de A BOINA!

A amiga de A BOINA e super escritora-sorriso, Urda Alice Klueger (Reprodução / Nane Pereira)

A amiga de A BOINA e super escritora-sorriso, Urda Alice Klueger (Reprodução / Nane Pereira)

Nascida em Blumenau. Urda é licenciada, bacharel e especialista em História pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). É doutora em Geografia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Na laureada carreira, já escreveu 24 livros, entre romances, crônicas, relatos de viagens e literatura infanto-juvenil, dos quais se destacam: Verde Vale (1979), No Tempo das Tangerinas (1983), Cruzeiros do Sul (1992), No Tempo da Bolacha Maria (2002) e Sambaqui (2008).

É militante de movimentos sociais, pesquisadora da arqueologia do litoral de Santa Catarina, dentre outras, além de produzir textos para a imprensa de três continentes (América, Europa e África) a cada semana. Urda pertence a Academia Catarinense de Letras, ao Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina (IHGSC), entre outros.

Desde 2015, é uma das amigas de A BOINA, tendo algumas de suas tão famosas crônicas sendo publicadas pelo espaço.

Adalberto e este jornalista abraçando a nova colaboradora de A BOINA. Um gigante bem-vindo a querida Urda Alice Klueger (Especial Arquivo Adalberto Day)

Amigos de A BOINA: Adalberto Day e Urda Klueger num alegre durante o lançamento do livro O Jornalismo Diversional de Fátima Bernardes, da jornalista Rosiméri Laurindo, em novembro de 2015. Dali começou uma bela amizade entre a escritora e este mimoso espaço (Especial Arquivo Adalberto Day)

Serviço:

  • O que: Lançamento do livro No Tempo da Ana Bugra
  • Quando: Dia 5 de maio, das 18h às 21h30min
  • Onde: Livraria Blulivro, no Shopping Center Park Europeu, via Expressa, Blumenau (SC)
  • Livro: 71 pgs. Valor R$ 20,00.  ISBN: 978-85-86857-47-8
  • Editora Hemisfério Sul: editorahemisferiosul@gmail.com
  • Urda Alice Klueger: urdaaliceklueger@gmail.com 

Um comentário sobre ““No Tempo de Ana Bugra”: Urda Alice Klueger lança nova obra em maio

  1. Grande André,
    Ana Bugra uma bela história que os blumenauenses precisam ler no livro da escritora Urda A. Klueger.
    Como citasse já escrevi sobre ela a “Ana Bugra” com o apoio do nobre amigo Carlos Braga Mueller. Também colaborei nestte livro com a Urda com alguns dados e citei a ela para conversar com a dona Lorena.
    André, vamos ver se a gente consegue chegar lá.
    Abraços
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau

Deixe uma resposta