O inimitável e a garganta de ouro: Eis Milionário & Marciano

Eis duas lendas sertanejas lado a lado. De duplas diferentes, terminadas pela morte ou separação, donos de um sem-número de sucessos... Milionário Marciano é a novidade do sertanejo. Um estilo sempre pronto a surpreender Reprodução)

Eis duas lendas sertanejas lado a lado. De duplas diferentes, terminadas pela morte ou separação, donos de um sem-número de sucessos… Milionário & Marciano é a novidade do sertanejo. Um estilo sempre pronto a surpreender (Reprodução)

A BOINA falando de sertanejo? Mas claro! Por que não? E desta vez merece muito um espaço nobre como este. E quando falamos destes dois cantores, o mundo da musica sertaneja guarda uma estima especial, especialmente pela história que guardam, sejam nas duplas que cantavam seja agora, nesta nova fase que arranca lágrimas dos amantes do estilo de longa data. Vindos de duas histórias quase idênticas, passando por separações e mortes, eis Milionário & Marciano.

Num momento de auge – pode-se assim dizer – do dito sertanejo universitário, as duplas clássicas tentam reinventar-se ou, ao menos, seguir bem na trilha aberta nos antigamentes da música e hoje só não esquecida pelas tantas vezes que as canções clássicas (e verdadeiras, segundo este jornalista) aparecem nas bocas dos novatos. A chegada de Milionário & Marciano é uma surpresa grata que une duas das duplas mais importantes do sertanejo moderno, daquele que saíra do pé da viola para uma riqueza de som que conquistaria o pais nos fins dos anos 70, passando pelos 80 e firmado nos 90.

Nascida num saguão de um modesto hotel, Milionário José Rico trilharam uma história tão rica no sertanejo que tornou-se referencia a muitos. Estrada da Vida é um hino, quase o resumo de uma carreira recheada de sucessos Reprodução)

Nascida num saguão de um modesto hotel, Milionário & José Rico trilharam uma história tão rica no sertanejo que tornou-se referencia a muitos. Estrada da Vida é um hino que reúne tribos, quase o resumo de uma carreira recheada de sucessos (Reprodução)

Duas histórias um tanto distintas, mas que se cruzam nas origens e no sucesso alcançado, ao ponto de serem referencias indeléveis. De um lado, Romeu Januário de Matos e José Alves dos Santos, que encontraram-se por obséquio da vida no saguão do Hotel Rio Preto – o conhecido Hotel dos Artistas – em São Paulo. Puxando o nome do antigo Carnê Milionário do Baú da Felicidade de Silvio Santos, Romeu virou-se Milionário e tornou a segunda voz inseparável de José Rico a partir de 1973, numa aventura que atravessou até a China com sucessos que dariam um texto só para mencioná-los.

Estrada da Vida, sem dúvida, é a marca maior da dupla e, talvez, uma das pouquíssimas canções sertanejas que conseguem arrastar adeptos de quaisquer tribos musicais. Tão simples na execução e no cantar, a música é de 1977, já no correr do sucesso da dupla que parecia não ter fim. Houve um período de separação no início da década de 90 que durou até 1994 para só terminar, tristemente, na morte de José Rico em março do ano passado, vitimado por uma parada cardíaca. Uma perda enorme para a canção sertaneja que via em José Rico uma das mais possantes vozes do cancioneiro brasileiro.

Sozinho, Milionário não podia fazer muito sendo apenas segunda voz e raramente dando uma de primeira (como em Ciumento). Já João Marciano teve outro caminho, muito embora a história em dupla com João Mineiro (João Sant’Ângelo) foi igualmente brilhante. A dupla encontrou-se também no início da década de 70, dando start na carreira também em 1973. Para João Mineiro era a chance de dar continuidade a ideia de voltar-se para um estilo mais romântico, um pouco afastado do sertanejo tradicional.

João Mineiro vinha de uma malfadada experiência com uma dupla anterior quando encontrou-se com Marciano. Da dupla, o sertanejo atacou de forma mais romântica, imortalizando baladas inesquecíveis. A dupla se separou, de uma forma até amigável, em 1993 Reprodução)

João Mineiro vinha de uma malfadada experiência com uma dupla anterior quando encontrou-se com Marciano. Da dupla, o sertanejo atacou de forma mais romântica, imortalizando baladas inesquecíveis. A dupla se separou, de uma forma até amigável, em 1993 (Reprodução)

A parceria deu mais que certo e a dupla atravessou os anos 70 e 80 colecionando LPs e sucessos como Esta Noite Como Lembrança, Ainda Ontem Chorei de Saudade, Crises de Amor, As Paredes Azuis e outros tantos mais. Até na TV a dupla engraçou-se a apresentar programas, transmitido pelo SBT nas manhãs de domingo. Tudo parecia bonito até 1993, quando depois de tantos sucessos e muito a percorrer, a dupla decide se separar de forma amigável (bem ao contrário do que muitos pensavam). João Mineiro tentou a sorte com outras duplas enquanto Marciano arriscava a carreira solo.

Curiosamente, também em um mês de março – mas em 2012João Mineiro partia desta dimensão, vitimado por complicações recorrentes de um problema na vesícula por conta da diabetes que o cantor sofria. A perda do companheiro, mesmo em tempos solos, foi sentida por Marciano, que andava um tanto apagado da mídia, sendo presença em alguns shows pelo país. O destino, no entanto, preparou o turning point que agora presenciamos em 2016, com uma reunião que parecia improvável.

A gravação do DVD do projeto Lendas, com direção de Fernando Fernando e Sorocaba) foi uma reunião que emocionou os fãs de ambas as duplas, diante de uma volta ao passado sem igual. Show foi no Citibank Hall de São Paulo, em novembro de 2015 Reprodução)

A gravação do DVD do projeto Lendas, com direção de Fernando (Fernando & Sorocaba) foi uma reunião que emocionou os fãs de ambas as duplas, diante de uma volta ao passado sem igual. Show foi no Citibank Hall de São Paulo, em novembro de 2015 (Reprodução)

Algumas conversações amigáveis, combinações empresariais e aquecimentos das gargantas depois, o inimitável e uma das gargantas de ouro do Brasil oficializaram o nascer de uma nova velha dupla. Na internet, medleys de alguns dos grandes sucessos do DVD do projeto intitulado Lendas, que foi gravado em 2015 no Citibank Hall em São Paulo, com produção de Fernando, da dupla Fernando & Sorocaba. Uma reunião que teve o prestígio de algumas duplas como Cesar Menotti & Fabiano e Gian & Giovani.

Apenas para contemplar um pouco… Ainda Ontem Chorei de Saudade/Vontade Dividida:

Se a dupla deve ou não durar, não se sabe. Projetos como este tem vida curta e não visam uma nova carreira. Tal como foi o The Originals que fora a reunião de integrantes das maiores bandas da Jovem Guarda, deve ser um projeto com fim definido, mas que deixa escrita outra história na nova vida que os velhos sucessos de ambas as duplas trilham na cabeça dos apreciadores do estilo.

São aquelas voltas da vida musical que só canções podem descrever. E no caso sertanejo, especialmente dos super Milionário & Marciano, o que não falta é história, e sucessos… Muitos sucessos, uma enxurrada, penca, estoque farto de sucessos de um tempo do sertanejo que não mais volta (ao menos não voltaria antes deste projeto, é claro).

3 comentários sobre “O inimitável e a garganta de ouro: Eis Milionário & Marciano

  1. André, mais uma bela postagem.
    Essas duas duplas fazem parte da vida de milhões de brasileiros, inclusive da minha. Quando no final da década de 70 jogava futebol pelos quatro cantos de Blumenau e região, eram os sucessos que cantávamos após uma vitoria. A principal música era Estrada da Vida, era demais!
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau.
    Abraços

    • Pode ter certeza que serão convidados sim. É deste sertanejo que prezo todo o respeito e coisas assim só nos fazem sorrir de alegria!
      Agradeço o carinho e, sempre que surgir boas do sertanejo “do bom”, elas serão destaque em A BOINA!

      Grande Abraço!
      André Luiz – Blog A BOINA, Blumenau/SC

Deixe uma resposta