Gestão do tempo: Quatro dicas para não se perder no ambiente profissional

Tempo, este cidadão que mexe com nossa rotina pode também se passar por vilão se não bem gerido no ambiente profissional Reprodução)

Tempo, este cidadão que mexe com nossa rotina pode também se passar por vilão se não bem gerido no ambiente profissional, sobretudo na administração de tarefas, muitas vezes importantíssimas (Reprodução)

(Sabrina Hoffmann / Melz Assessoria de Imprensa)

A velha máxima de que tempo é dinheiro faz todo o sentido quando o assunto é o expediente profissional. Cada vez mais conectado, o brasileiro sofre com um problema recorrente: A falta de foco durante o expediente e o turbilhão de informações que recebe diariamente, via redes sociais e-mails e outros canais de comunicação. Uma pesquisa da Catho revelou que mais de 60% dos trabalhadores realizam horas extras com frequência – mais de 13 mil entrevistados continuam trabalhando após o fim do expediente.

O consultor da Mega Empresarial, Roberto Vilela, explica que nem sempre essa situação revela uma alta demanda de trabalho, mas muitas vezes deixa clara a dificuldade que os profissionais tem de se desconectar ou manter o foco nas atividades que precisam desempenhar. É cada vez mais comum que continuemos trabalhando e caso, atendendo ligações, respondendo e-mails ou enviando mensagens pelo celular. Esse excesso de conectividade tem um lado ruim: perdemos o foco e não limitamos mais a execução de tarefas ao local de trabalho, diz.

Roberto Vilela, consultor da Mega Empresarial Daniel Zimmermann)

Roberto Vilela, consultor da Mega Empresarial (Daniel Zimmermann)

Para ele, a questão é complexa e o principal ponto que deve ser discutido entre empresa e profissionais é a real necessidade das horas extras. A primeira dica que dou é o bom senso em relação ao uso de redes sociais pessoais durante o expediente. É preciso ter foco e ninguém consegue realizar o trabalho sem concentração.

A segunda questão fundamental é que temos, por natureza, o hábito de procrastinar, explica. Roberto recomenda que o profissional comece o dia classificando suas atividades e realizando as mais importantes ou difíceis primeiro. Não dá pra deixar pra depois. A consequência de adiar algo importante é ter que ficar mais horas no trabalho e até mesmo comprometer a qualidade do resultado, salienta.

Pequenas pausas X saber dizer não

Jessica Peterson / Tetra Images / Corbis)

Sobrecarregar-se pode ser também um vilão no combinar tempo com tarefas. É preciso sim, ter um limite. Se você percebeu que não vai conseguir cumprir os prazos, converse com o seu gestor, diz Vilela (Jessica Peterson / Tetra Images / Corbis)

A terceira dica do consultor da Mega diz respeito às pausas. Elas não são ruins e ajudam a manter o foco. Mas evite aquele cafezinho durante uma atividade. Conclua a tarefa primeiro e, então, dê um tempo. Aqueles cinco minutos podem ajudar a recuperar o fôlego para a nova ação que precisa ser executada, garante.

Por último, Roberto lembra que nem sempre é possível realizar determinada tarefa. Se o profissional já está sobrecarregado, deve evitar se comprometer com mais atividades. É preciso sim, ter um limite. Se você percebeu que não vai conseguir cumprir os prazos, converse com o seu gestor. Sempre levando em consideração o tempo que pode ser melhor aproveitado. O não deve vir depois de uma auto avaliação sobre a atuação e o comprometimento com a empresa, conclui.

 

Deixe uma resposta