Gramming & Marbles (F-Indy): Pagenaud, o espetinho, vence Dixon em Long Beach

O espetinho da vez. Simon Pagenaud usou de manobra polêmica na saída dos boxes e faturou mais uma em 2016. O francês vai se dando bem na casa de Tio Roger (IndyCar)

O espetinho da vez. Simon Pagenaud usou de manobra polêmica na saída dos boxes e faturou mais uma em 2016. O francês vai se dando bem na casa de Tio Roger (IndyCar)

(Douglas Sardo)

Após a vitória de Scott Dixon no festival de bandeiras amarelas em Phoenix, a Indy viveu no último domingo (17/04) situação completamente inversa na clássica Long Beach, na ensolarada Califórnia: Uma prova tranquila, sem incidentes, sem bandeiras amarelas, definida nas paradas de reabastecimento. E foi nos pit-stops que Dixon tentou dar o pulo do gato.

Mas a Penske estava esperta e colocou Simon Pagenaud na frente na segunda rodada de paradas, contando com uma providencial queimada do piloto francês na linha de saída do pit-lane. Noves fora, é a primeira vitória de Simon na equipe de Tio Roger.

Nem mesmo a beleza da sensacional Costa do Pacífico foi suficiente para inspirar os feiosos kits aerodinâmicos da Indy no último fim de semana. Diante de um dos maiores públicos da temporada, e do famoso navio Queen Mary, máquinas e pilotos protagonizaram uma corrida bastante sonolenta, que provocou inclusive criticas por parte do narrador do BandSportsTéo José.

Nos treinos, Sobrou Castroneves na pista. Pole para ele (IndyCar)

Nos treinos, sobrou Castroneves na pista. Pole para ele (IndyCar)

Nos treinos, mais uma vez a Penske deu as cartas, e mais uma vez com Hélio Castroneves, que anotou sua segunda pole no ano. Coube a Dixon impedir uma primeira fila toda da Penske, puxando Pagenaud para terceiro. Tony Kanaan se classificou em quarto, seguido de Juan Pablo Montoya. Will Power esteve muito rápido durante os treinos, mas em sua derradeira volta, se despistou na curva 9 e perdeu qualquer chance de fazer a pole, tendo que se contentar com um sexto lugar. De qualquer forma, muito se esperava dele nessa corrida…

Antes da largada, Band Sports apronta mais uma das suas

Bobeira! BandSports escorrega novamente transmitindo uma reprise do WTA em cima da Indy, cortando a poucos minutos do início da corrida. Era a única opção para os fãs da Indy assistirem a prova, já que a matriz - a Band - transmitia a votação do Impeachment na Cãmara em Brasília (Reprodução)

Bobeira! BandSports escorrega novamente transmitindo uma reprise do WTA em cima da Indy, cortando a poucos minutos do início da corrida. Era a única opção para os fãs da Indy assistirem a prova, já que a matriz – a Band – transmitia a votação do Impeachment na Câmara em Brasília (Reprodução)

Quem assina TV a cabo e tem o canal Band Sports se surpreendeu ao ligar a TV às 17h15 e ver uma partida de Tênis. Pois é, enquanto rolava o pré-corrida na TV americana, o BandSports exibia a final do torneio WTA de Bogotá. Porém, se tratava de um VT.

Os fás da Indy, mais uma vez, foram destratados pela emissora, que só iniciou a transmissão ao vivo já na volta de apresentação…

A Corrida

Largada com Helio Castroneves a frente. Brasileiro liderou grande parte da corrida, mas terminou em terceiro, derrotado na estratégia de boxes (IndyCar)

Largada com Helio Castroneves a frente. Brasileiro liderou grande parte da corrida, mas terminou em terceiro, derrotado na estratégia de boxes (IndyCar)

Na largada, Castroneves manteve a ponta, seguido por Pagenaud, que deixou Dixon em terceiro. James Hinchcliffe era o melhor da Honda, mas era apenas sétimo, em mais uma demonstração de inferioridade da fabricante japonesa.

Os pilotos aplicavam um ritmo calculado, poupando combustível. As ultrapassagens eram difíceis, complicando a vida de quem largou no meio do grid. Em nono lugar, Ryan Hunter-Reay segurava um grupo que tinha Josef Newgarden, Carlos Muñoz, Conor Daly e Sebastien Bourdais.

A partir da volta 24 abriu-se a primeira janela de reabastecimento e troca de pneus. Entre os líderes, Dixon foi o último a parar e sua estratégia compensa: ele ganha a posição de Pagenaud, surgindo em segundo. Não demora muito para Dixon começar a diminuir a diferença para Castroneves, o neozelandês é cerca de meio segundo mais rápido por volta.

Takuma Sato foi um dos grandes destaques da prova, com atuação combativa e muitas ultrapassagens (IndyCar)

Takuma Sato foi um dos grandes destaques da prova, com atuação combativa e muitas ultrapassagens (IndyCar)

Porém, já dizia o velho ancião do automobilismo: Chegar é uma coisa, passar é outra. Ainda mais nas curvas apertadas de Long Beach. Dixon fica muito próximo de Hélio, mas não tem chance de armar a ultrapassagem. Após 45 voltas, os lideres se aproximam dos retardatários, e Jack Hawksworth acaba atrapalhando Helinho, que teve que fazer uma volta inteira preso atrás do britânico.

No final dessa volta, Dixon antecipou sua segunda parada. Quando Hélio faz seu Pit-Stop, ele volta atrás do atual campeão. Grande estratégia de Dixon e da Chip Ganassi.
Mas lá na frente, Pagenaud ainda não havia parado, e o francês começou a voar na pista para armar seu bote…

E o plano funcionou. Mas não sem uma certa dose de malandragem. Na saída dos boxes, Dixon vinha rasgando pela reta, e os dois iriam dividir a curva, mas Pagenaud claramente passou com as duas rodas dianteiras sobre a linha dos boxes, algo passivo de punição.

Dixon antecipou parada para passar Helinho. Estratégia deu certo... Ou daria, se o esperto Pagenaud não tivesse a frente depois da manobra polêmica nos boxes (abaixo) (IndyCar)

Dixon antecipou parada para passar Helinho. Estratégia deu certo… Ou daria, se o esperto Pagenaud não tivesse a frente depois da manobra polêmica nos boxes (abaixo) (IndyCar)

Inicialmente, Dixon pressiona o francês, mas logo é avisado pelo rádio que Pagenaud deve receber uma punição e assume postura mais conservadora. Porém, para surpresa do pessoal da Chip Ganassi, a direção de prova opta por não punir o piloto francês, dando-lhe apenas uma advertência.

Sabendo que a punição não viria, Dixon então parte para o ataque, mas naquela altura da prova ele só tinha um push-to-pass, enquanto Pagenaud ainda tinha três boosts na manga, o que lhe assegurou a vitória, e a manutenção da liderança do campeonato.
Castroneves fechou em terceiro, seguido por Montoya (em atuação bastante discreta) que foi bastante pressionado por Takuma Sato, o Samurai voador que fez boas ultrapassagens para chegar em quinto. Kanaan foi sexto, e Will Power a grande decepção da prova, apenas um apagado sétimo.

Will Power... Ainda sem encontrar o caminho da boa temporada. Apagado novamente em sétimo. (IndyCar)

Will Power… Ainda sem encontrar o caminho das boas atuações. Apagado, desta vez em sétimo. (IndyCar)

Os 10 Mais – Corrida:

1 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet)
2 – Scott Dixon (Chip Ganassi-Chevrolet)
3 – Helio Castroneves (Penske-Chevrolet)
4 – Juan Pablo Montoya (Penske-Chevrolet)
5 – Takuma Sato (Foyt-Honda)
6 – Tony Kanaan (Chip Ganassi-Chevrolet)
7 – Will Power (Penske-Chevrolet)
8 – James Hinchcliffe (Schmict Peterson-Honda)
9 – Sebastien Bourdais (KV-Chevrolet)
10 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet)

Helinho mantém a regularidade na perseguição ao título. Desta vez, faturou um terceiro posto mesmo tendo liderado grande parte da prova (IndyCar)

Helinho mantém a regularidade na perseguição ao título. Desta vez, faturou um terceiro posto mesmo tendo liderado grande parte da prova. Tony Kanaan foi mais discreto, terminando apenas em sexto com o bólido azul da Chip Ganassi (IndyCar)

Os 10 Mais – Campeonato:

1 – Simon Pagenaud (134 pts)
2 – Scott Dixon (120 pts)
3 – Juan Pablo Montoya (106 pts)
4 – Hélio Castroneves (92 pts)
5 – Tony Kannan (84 pts)
6 – Takuma Sato (73 pts)
7 – Ryan Hunter-Reay  (68 pts)
8 – Will Power (62 pts)
9 – Graham Rahal (59 pts)
10 – Charlie Kimball (58 pts)

Teo, o detonador (e bem vindo):

Teo José, por vezes bom transmitidor de emoção e tranquilo, não está contente com a atual fase da Indy. Com a corrida se arrastando sem grandes emoções, e praticamente nenhuma ultrapassagem, o narrador do BandSports abriu fogo contra os kits aerodinâmicos desenvolvidos por Honda e Chevrolet.

Geralmente calmo, mas um acompanhante clássico das corridas da Indy/CART desde os anos 90, Teo José nunca foi de esconder criticas. Os horrendos kits aerodinâmicos da Indy foram a vitima desta vez. Falou a voz da experiencia (Reprodução / BandSports)

Geralmente calmo, mas um acompanhante clássico das corridas da Indy/CART desde os anos 90, Teo José nunca foi de esconder criticas. Os horrendos kits aerodinâmicos da Indy foram a vitima desta vez. Falou a voz da experiencia (Reprodução / BandSports)

Téo lembrou que a corrida no oval de Phoenix já tinha mostrado o quanto esses kits tornavam as ultrapassagens difíceis, e defendeu que a Indy deve tomar atitudes para mudar essa situação.

David Letterman marcou presença

Acredite... Este é David Letterman. Famoso apresentador do Late Show nos EUA está mais para integrante do ZZ Top ou para sósia de Cat Stevens (Reprodução)

Acredite… Este é David Letterman. Famoso apresentador do Late Show nos EUA está mais para integrante do ZZ Top ou para sósia de Cat Stevens (Reprodução)

O ex-apresentador de TV e sócio da equipe Rahal-Letterman-Lanigan, David Letterman, apareceu na pista de Long Beach para acompanhar os trabalhos de sua equipe. Nos últimos meses, Letterman adotou um novo visual, com uma barba que lembra um pouco os barbados do icônico ZZ Top.

O novo visual não deu muita sorte para o time, pois Graham Rahal terminou apenas em 15º. Letterman é fanático por automobilismo, e amigo de longa data de Bobby Rahal, de quem adquiriu parte do Team Rahal em 1996.

A Formula Indy se reúne novamente neste fim de semana, no Barber Motorsports Park, para o Grande Prêmio do Alabama.

Sweet Home, Alabama! Até lá!

Deixe uma resposta