Contas em dia: Cinco dicas para não se perder nas faturas

Regular contas de água, luz, telefone e outros saldos do mês nem sempre é tarefa que se organize com facilidade. Para não esquecer de nenhuma fatura cinco dicas para você, amigo e amiga de A BOINA preocupado com o orçamento Reprodução)

Regular contas de água, luz, telefone e outros saldos do mês nem sempre é tarefa que se organize com facilidade. Para não esquecer de nenhuma fatura cinco dicas para você, amigo e amiga de A BOINA preocupado com o orçamento Reprodução)

(Tamires Kardauke / Oficina das Palavras)

Colocar as contas em dia não é uma tarefa fácil. Ainda mais em tempos de crise. Conta de água, luz, telefone, escola, supermercado, combustível, cartão de crédito e financiamentos nem sempre cabem no bolso. Independentemente do nível econômico, a regra é economizar e manter as contas na ponta do lápis.

Mas, e quando as contas são maiores do que o salário? Nesse caso, é preciso priorizar algumas dívidas, como por exemplo, as que possuem taxas de juros mais altas. O gerente da agência de Pomerode da Unicred Blumenau, Felipe Schröder Clasen, dá cinco dicas importantes:

Reprodução)

(Reprodução)

1- Priorização de despesas: Num primeiro momento, o mais importante é avaliar as despesas como um todo e priorizar as com maiores taxas de juros, como o cartão de crédito, financiamentos e até o cheque especial. A renegociação é sempre uma boa estratégia e, muitas vezes, oferece melhores taxas ou prazos maiores para encaixar no orçamento familiar. Em seguida, devem ser priorizadas as contas sujeitas a apreensão de um bem, como veículo e imóvel, ou suspensão de serviços, como água, energia elétrica e telefone.

2- Pagando a fatura mínima: Os juros do cartão de crédito são os mais altos do mercado, isso não é uma novidade. Quando se opta pelo pagamento mínimo da fatura, o valor em aberto será cobrado no próximo mês, com juros, além das despesas da próxima fatura. Se o consumidor puder arcar com a fatura e o valor pendente do mês anterior não há problema em optar pelo pagamento mínimo. Mas, se isso se repetir, os juros vão acumulando e a despesa vira uma bola de neve.

Reprodução)

(Reprodução)

3- Empréstimo para quitar dívida: Em alguns casos, é recomendável realizar um empréstimo para quitar outras dívidas, como por exemplo, contas vinculadas a juros muito altos. Porém, é preciso ter controle para não extrapolar o orçamento familiar criando mais uma dívida.

4- Organização financeira: Manter as contas na ponta do lápis ou em uma planilha no computador ainda é uma das melhores dicas para não deixar as dívidas se acumularem. Dessa forma, é possível visualizar de forma prática quanto sobra ou falta no fim do mês. Outra dica é não comprometer mais do que 30% da renda com despesas fixas e procurar poupar os outros 30% para possíveis imprevistos.

5- Assumindo uma nova dívida: É preciso saber como e quando utilizar o dinheiro. Por exemplo, quando se financia um veículo, paga-se juros sobre um bem que perderá valor com o passar dos anos e terá despesas frequentes como manutenção, combustível e seguro. Já no caso da compra de um imóvel, apesar da taxa de juros, este bem não perde valor, inclusive pode aumentar. Avalie se a despesa realmente é necessária e de que não irá pesar no orçamento familiar.

Deixe uma resposta