“Batmundo” e aventuras: Do Chile, casal de artistas inicia a viagem de retorno ao Brasil

(Nane Pereira / Nane Pereira Comunicação & Arte)

Zam Reprodução / Petersen)

Zanza e Bubi Petersen, tendo ao fundo a companhia do Batmundo. Viagem fantástica pelo sul da América Latina está terminando, a chegada deve ser até o dia 30 de maio ao Brasil (Reprodução / Petersen)

Muitas aventuras, risos, pescarias, novas experiências, culturas e filosofia. Quase dois meses viajando e após percorrerem mais de seis mil quilômetros de batmundo (apelido do motorhome), os artistas e empresários catarinenses Zanza e Bubi Petersen chegaram ao Chico Chile, passaram por Coyhaique e Galeta Gonzalo, no Chile. Viajaram de barco durante três horas para Hornopirén. Pescaram e se divertiram no Río Simpson e Lago Elizalde, visitaram o Parque Pumalín e o Parque Nacional Los Alerces, onde estão as maiores árvores dessa espécie.

A viagem ao Chile foi toda pela Carretera Austral (Ruta CH-7), que possui um trecho asfaltado, mas a maioria é de estrada de rípio e o “batmundo” está se comportando com galhardia (risos). Na viagem de barco, passamos por diversos Parques. As madeiras são geralmente claras, as espécies Lenga e Coihue são bem da região dos parques de temperatura baixa e são duríssimas. Coletei algumas que estavam à beira de um lago, elas dessem dos picos nevados no verão e ficam muito tempo à beira dos lagos e rios imensamente transparentes de um azul inexplicável. A outra madeira é Ñire. Estas árvores formam um nó no meio do tronco e de lá saem saias, lenços, danças, bailarinas… Deixa a imaginação voar! Estamos retornando ao Brasil e devemos chegar entre os dias 28 e 30 de maio, comenta Zanza.

Paisgens de cinena e inspiração para novas obras de arte. Uma viagem cheia de grandes recordações e experiências para o amável casal (REprodução /

Paisagens de cinema e inspiração para novas obras de arte. Uma viagem cheia de grandes recordações e experiências para o amável casal (Reprodução / Petersen)

A viagem de batmundo iniciou no dia 28 de março. A bordo do veículo, os artistas montaram uma pequena marcenaria, onde unem arte, viagem e trabalho, em busca de novas experiências e de materiais para criar bailarinas, esculturas produzidas com madeira reciclada. O público pode acompanhar os principais momentos da viagem pelo Facebook ou pelo Instagram de Zanza.

Ao sair de um parque nos deparamos inebriados com o cheiro que a mata exalava, era anoitecer e lá fora, sem luz nenhuma, só a lua e as estrelas cobriam as nossas cabeças, como se o universo nos protegesse, poetiza a artista.

Veja algumas imagens desta incrível aventura:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe uma resposta