Gramming & Marbles (Indy): Na rodada dupla de Detroit, Bourdais surpreende e Power ressurge

Power (de cinza) e Bourdais. Os vencedores do fim de semana de rodada dupla em Detroit. Australiano se apresentou a batalha interna na Penske, já o francês da KV retornou as glorias de forma surpreendente (Indy)

Power (de cinza) e Bourdais. Os vencedores do fim de semana de rodada dupla em Detroit. Australiano se apresentou a batalha interna na Penske, já o francês da KV retornou as glorias de forma surpreendente (Indy)

(Douglas Sardo)

É melhor Roger Penske ficar atento. Depois do fim de semana em Detroit, a temporada de 2016 da Fórmula Indy pode se tornar uma grande batalha entre seus pilotos pelo caneco. Não é novidade para ninguém que desde o começo do ano que Simon Pagenaud têm dado as cartas dentro da equipe Penske, subjugando seus três consagrados companheiros de time: Juan Pablo Montoya, Will Power e Hélio Castroneves.

Até as corridas em Detroit, os três não pareciam ter resposta para a impressionante velocidade do francês, mas eis que na corrida de domingo, a segunda da rodada dupla em Detroit, Power finalmente mostrou a que veio no campeonato, vencendo um confronto direto com Pagenaud e mostrando que pode ser sim um adversário para o número 22.

Na corrida de sábado, vitória surpreendente do sumido Sébastian Bourdais, comprovando a fama de loteria da pista da cidade-motor.

Corrida 1 (sábado): Na base da estratégia e da sorte, Sébastien Bourdais e Conor Daly levam a melhor.

Largada no sábado, com Helinho e Pagenaud dividindo a primeira curva. Ambos seriam traidos pela estratégia (Indy)

Largada no sábado, com Helinho e Pagenaud dividindo a primeira curva. Ambos, assim como outros favoritos, seriam traídos pela estratégia e bandeiras amarelas corriqueiras em Detroit (Indy)

Após Alexander Rossi derrubar o bolão de todo mundo em Indianapolis, tudo indicava um retorno à normalidade em Detroit, com mais uma vitória dominante do líder do campeonato, Simon Pagenaud, que liderou metade da prova. Porém o circuito de rua de Detroit não é lá muito chegado a previsões, e com uma série de bandeiras amarelas, a prova se tornou um execício de adivinhação, onde só quem fizesse sua última parada no momento certo, teria chances de vitória.

Melhor para outro francês… Sébastien Bourdais levou o carro da KV Racing ao victory lane após 4 paradas nos boxes, e sobre a confusa estratégia que o levou a vitória ele foi sincero: Eu não entendi a forma como saímos de 13º, para 16º, depois para 18º, para último, de repente 13º de novo e depois o pulo para liderança no fim. De repente eu era o líder e pensei, como isso foi acontecer?

Conor Daly foi um dos destaques no sábado, com corrida forte e usando bem da estratégia assim como Bourdais (Indy)

Conor Daly foi um dos destaques no sábado, com corrida forte e usando bem da estratégia assim como Bourdais (Indy)

Já o novato Conor Daly, que vêm fazendo uma temporada interessante, creditou seu excelente segundo lugar na prova a seu chefe de equipe, Dale Coyne: Dale é um mago. Ele pode ver tudo na cabeça dele. Talvez ele possa prever o futuro.

Exageros à parte, quem não soube prever o futuro foi Simon Pagenaud, que era quinto à poucas voltas do final, mas teve que fazer um derradeiro splash and go, que o jogou para 13º. Castroneves foi um discreto quinto lugar, enquanto Tony Kanaan  chegou apenas em nono.

Bourdais já não vencia há algum tempo e até ele mesmo foi pego de surpresa com a estratégia e as jogadas que o levaram a ponta. No fim, festa merecida ((Indy)

Bourdais já não vencia há algum tempo e até ele mesmo foi pego de surpresa com a estratégia e as jogadas que o levaram a ponta. No fim, festa merecida ((Indy)

2016642151540_16C_0697_II

Resultado da corrida 1:

1 – Sébastien Bourdais (KV-Chevrolet)
2 – Conor Daly (Dale Coyne-Honda)
3 – Juan Pablo Montoya (Penske-Chevrolet)
4 – Graham Rahal (Rahal Letterman Lanigan-Honda)
5 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet)
6 – Carlos Muñoz (Andretti-Honda)
7 – Ryan Hunter-Reay (Andretti-Honda)
8 – Charlie Kimball (Ganassi-Chevrolet)
9 – Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet)
10 – Alexander Rossi (Andretti Herta-Honda)
11 – Takuma Sato (Foyt-Honda)
12 – Gabby Chaves (Dale Coyne-Honda)
13 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet)
14 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet)
15 – Mikhail Aleshin (Schmidt Peterson-Honda)
16 – Marco Andretti (Andretti-Honda) + 1 volta
17 – Spencer Pigot (Carpenter-Honda) + 1 volta
18 – James Hinchcliffe (Schmidt Peterson-Honda) + 5 voltas
19 (ab) – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet) – Eletrônica
20 (ab) – Will Power (Penske-Chevrolet) – Problemas Mecânicos
21 (ab) – Max Chilton (Ganassi-Chevrolet) – Colisão
22 (NL) – Jack Hawksworth (Foyt-Honda) – Problemas Mecânicos

Corrida 2 (domingo): Com ultrapassagem cirúrgica no fim, Will Power baixa a bola de Simon Pagenaud e vence pela primeira vez no ano.

No domingo, Power divide a largada com Dixon na primeira fila. Australiano fez prova fabulosa e combativa para voltar as vitórias (Indy)

No domingo, Power divide curvas com Dixon no princípio. Australiano fez prova fabulosa e combativa para voltar as vitórias (Indy)

Parecia até videotape da corrida de sábado. Simon Pagenaud partiu da pole para liderar boa parte da prova, e o francês novamente parecia estar numa classe à parte, abrindo vantagem sobre seus companheiros de equipe com certa facilidade. Juan Pablo Montoya, que terminou a corrida de sábado no pódio, teve um domingo para esquecer, tocando primeiro com Scott Dixon e depois achando um dos muros da pista de Detroit. O colombiano segue devendo na temporada.

Hélio Castroneves até esteve na liderança da prova, mas vítima da loteria de estratégias, precisou fazer um pit-stop após a última bandeira amarela, e terminou apenas em 14º. Dessa vez porém, a Penske não deu chances para surpresas e acertou na tática com Pagenaud e Will Power, que saíram juntos na parte final da prova, e como todos à frente deles ainda teriam que parar, a vitória seria de um dos pilotos de Tio Roger.

Estratégias e cirandas tiraram Helinho da liderança. Ele foi apenas o  (Indy)

Estratégias e cirandas tiraram Helinho da liderança. Ele foi apenas o 14º no domingo (Indy)

E Will Power mostrou que está vivo na temporada. Percebendo a situação, ele conseguiu uma ultrapassagem precisa sobre Pagenaud, e assumiu a ponta após todos fazerem seu último pit. O francês bem que tentou um ataque derradeiro, mas o australiano foi firme e recebeu a quadriculada na ponta. Com o perdão do trocadilho, uma demonstração de força de Power após ser prejudicado na corrida de sábado, com a roda traseira esquerda de seu Penske se soltando.

Pagenaud segue firme na liderança do campeonato. E com a Penske sobrando, tudo indica que só um dos companheiros dele podem lhe tirar a taça. A corrida de domingo mostrou que Power está disposto a tentar…

Tony Kanaan terminou em sétimo, em mais uma prova discreta da Ganassi, com Dixon apenas em quinto, mantendo-se na vice-liderança do campeonato, mas cada vez mais longe de Pagenaud.

O vencedor das 500 milhas, Alexander Rossi, chegou a liderar uma volta da corrida de domingo, mas fechou a prova em 12º.

Power com o mimo da TAG-Heuer no fim da prova. Já o estraga-bolões Alexander Rossi (abaixo) teve atuação discreta nas duas provas (Indy)

Power com o mimo da TAG-Heuer no fim da prova. Já o estraga-bolões Alexander Rossi (abaixo) teve atuação discreta nas duas provas (Indy)

2016641857665_41BK2043_II

Resultado da corrida 2:

1 – Will Power (Penske-Chevrolet)
2 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet)
3 – Ryan Hunter-Reay (Andretti-Honda)
4 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet)
5 – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet)
6 – Conor Daly (Dale Coyne-Honda)
7 – Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet)
8 – Sébastien Bourdais (KV-Chevrolet)
9 – Marco Andretti (Andretti-Honda)
10 – Tauma Sato (Foyt-Honda)
11 – Graham Rahal (Rahal/Letterman/Lanigan-Honda)
12 – Alexander Rossi (Andretti Herta-Honda)
13 – Gabby Chaves (Dale Coyne-Honda)
14 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet)
15 – Carlos Muñoz (Andretti-Honda)
16 – Charlie Kimball (Ganassi-Chevrolet)
17 – Mikhail Aleshin (Schmidt Peterson-Honda)
18 – Spencer Pigot (Carpenter-Honda) + 3 voltas
19 (ab) – Jack Hawksworth (Foyt-Honda) – Problemas mecânicos
20 (ab) – Juan Pablo Montoya (Penske-Chevrolet) – Colisão
21 (ab) – James Hinchcliffe (Schmidt Peterson-Honda) – Colisão
22 (ab) – Max Chilton (Ganassi-Chevrolet) – Colisão

Classificação do campeonato (10 mais):

1 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet) 357 pts
2 – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet) 277 pts
3 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet) 271 pts
4 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet) 259 pts
5 – Alexander Rossi (Andretti Herta-Honda) 242 pts
6 – Carlos Muñoz (Andretti-Honda) 242 pts
7 – Will Power (Penske-Chevrolet) 240 pts
8 – Tony Kanaan (Ganassi-Honda) 240 pts
9 – Juan Pablo Montoya (Penske-Chevrolet) 233 pts
10 – Charlie Kimball (Ganassi-Chevrolet) 227 pts

Em seu quintal, Chevrolet mostra quem é que manda após fracasso nas 500 milhas

Mikhail Aleshin com seu chassi Honda da  . Japoneses não repetiram na rua o gigantismo para cima da Chevrolet tal como fora em Indianápolis (Indy)

Mikhail Aleshin com seu chassi Honda da Schmidt Peterson. Japoneses não repetiram na rua o gigantismo para cima da Chevrolet tal como fora em Indianápolis (Indy)

A Honda brilhou em Indianópolis, com a dobradinha Rossi-Carlos Muñoz desbancando a superioridade da Chevrolet até então. Mas como já havíamos visto em St. Pete na abertura do campeonato, em circuitos de rua os nipônicos comem poeira.

Em Detroit, praticamente no quintal da fábrica da Chevrolet, a fabricante americana não podia permitir uma zebra japonesa. E tratou de abocanhar as duas vitórias na rodada dupla. Agora, no campeonato de construtores, a Chevrolet tem 1061 pontos, contra 833 da Honda.

Hora da verdade para Dixon

O campeão de 2015 anda sumido e devendo para a massa de fãs. Dixon pode ter boas chances na próxima prova, no Texas. Um oval sempre lhe vai bem (Indy)

O campeão de 2015 anda sumido e devendo para a massa de fãs. Dixon pode ter boas chances na próxima prova, no Texas. Um oval sempre lhe vai bem (Indy)

O atual campeão Scott Dixon têm sido discreto em sua defesa de campeonato até aqui. A Chip Ganassi não tem condições de competir sempre com a Penske, e o neozelandês só conseguiu uma vitória no oval de Phoenix.

Parece que nesse tipo de circuito é que residem as chances do time, portanto a prova da semana que vem, o GP do Texas, deve ser um momento crucial para as ambições de Dixon na temporada. Olho nele, portanto!

See you there!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s