Videotape n’A Boina nº34 – Chaves e o sucesso baseado em piadas prontas

Baseado nas mesmas piadas e situações, Chaves ainda se mantém firme e é o coringa da TV. Descubra mais sobre isso (Divulgação)

Baseado nas mesmas piadas e situações, Chaves ainda se mantém firme e é o coringa da TV. Descubra mais sobre isso (Divulgação)

(Lucas Luke Baldin)

Hello, Videotapers! Tudo bem com vocês?

Hoje vou ser curto e objetivo. Hoje vou falar minha perspectiva sobre o programa número um da televisão humorística! (como era anunciado): El Chavo ou para os brasileiros apenas Chaves (bela tradução, né? Só que não!). O programa, segundo pesquisa, Foi de 1971 até 1980, mas até onde eu sei passou mais tempo do que isso tipo até o começo dos anos 90. O que vou fazer hoje não é resenhar e criticar esse programa, até por que o SBT faz questão que todas as gerações o conheçam. O que vou fazer aqui é devanear um pouco e levantar a questão: Tanto tempo no ar trouxe inovação ou apenas repeteco dos artifícios humorísticos?

Ao assistir Chaves, o clássico programa onde conta a história do menino órfão que mora numa vila e que arruma treta o tempo todo, comecei a pensar: Ok. Tanto tempo no ar e não teve nada novo? Até teve, com a saída dos personagens de mais peso do elenco (fora o protagonista) alguns personagens recorrentes se tornaram fixos, mas tirando isso nada de novo aconteceu. Além disso muito dos episódios eram regravados com outros personagens. Mais do mesmo. Ok, naquela época não tinha internet e nada saia da validade tão rápido que nem hoje.

O sucesso é baseado no humor pastelão. É algo 8 ou 80: não há como gostar mais ou menos. É sim ou não (Reprodução)

O sucesso é baseado no humor pastelão. É algo
8 ou 80: não há como gostar mais ou menos. É sim ou não (Reprodução)

Roberto Bolanõs, o criador e interprete do inesquecível garoto do barril, era bastante fiel ao que escrevia, odiava improvisos e ficava fulo quando alguma alma fugia do roteiro do episódio. Como diria outra criação dele, o Chapolin: Cada movimento era friamente calculado. Esse deve ter sido um motivo para tudo ficar sempre no mesmo tipo de piada e mesmo tipo de situação. Algo tipo ser fiel a criação.

Chaves foi sucesso em vários países e talvez um motivo pra tudo ficar sempre nos 14 meses de aluguel, no foi sem querer querendo e pro ninguém tem paciência comigo não é a teoria de que El Chavo era ambientado no inferno (como Fê Castanhari sugeria no Canal Nostalgia). Pode ser que fosse arriscando inovar e evoluir a história, sendo que a sitcom mexicana fez sucesso justamente pelo pandemônio que Chaves e sua muchachada faziam naquele cortiço.

(Reprodução)

(Reprodução)

Bom galera, por hoje é isso. Curto né? Jornalismo de web é isso, gatas e gatos (risos). Hoje não precisava de tanto pra conversar com vocês.

Só lembrando que eu gosto muito do Chaves e não tenho nada contra. Mas é sempre bom pensar e discutir sobre aquilo que a gente gosta (e não gosta também). Chaves ficou no ar baseado nas mesmas piadas e nas mesmas situações, se não fosse o efeito do tempo o programa poderia ter continuado por anos e anos. Tudo era montado formando um looping. Não tinha começo e nem fim. Muito bom, Chespirito!

NOS BASTIDORES: Entre Tapas E Beijos

Em tempo de loves neste fim de semana dos namorados, descubra nesta edição de Nos Bastidores quem foram os protagonistas de filmes que tinham que passar amor na frente das câmeras, mas por trás delas era só briga.

Ah, e dá aquela curtidinha no Canal Videotape no YouTube! É de boas e de graça!

Vou ficando por aqui, até quinta lá no Videotape.

Um beijo pra quem fica! Luke para A BOINA encerrando a transmissão.

Deixe uma resposta