Urda em A BOINA: Histórias da minha avó

(Urda Alice Klueger)

Eis Emma Katzwinkel Klueger, uma lituana de fibra, amante de pepinos e uma exímia contadora de histórias, recordada hoje pela amiga Urda Klueger em A BOINA (Adalberto Day)

Eis Emma Katzwinkel Klueger, uma lituana de fibra, amante de pepinos e uma exímia contadora de histórias, recordada hoje pela amiga Urda Klueger em A BOINA (Adalberto Day)

Minha avó não tinha dentes. Eu passei a conviver diariamente com ela quando ela tinha se tornado irremediavelmente velha, aos sessenta anos, e ela me fascinava por ser um poço sem fundo de histórias para contar, e também pelo fato de não ter dentes.

Minha avó ensinou-me coisas estranhas. Por exemplo, no começo do verão, naquelas maravilhosas tardes de começo de verão em que os pepinos estavam começando a formar os frutos no nosso quintal, minha avó fazia coisa estranhíssima: colhia um pequeno pepino ainda em formação, tenro pepino de casca verde, e sentava-se à sombra, numa grande pedra que havia no nosso jardim.

Com uma faca afiada, ela ia cortando o pepino em finas fatias translúcidas, com casca e tudo, e punha-se a mascá-las. É claro que eu não arredava do pé dela, totalmente fascinada por aquela pessoa estranha que comia pepino sem sal, sem vinagre, e COM CASCA!, e podia ficar por horas acocorada perto dela, a espiar como suas gengivas sem dentes mascavam as finas fatias do pepino, que ela saboreava com tanto prazer.

(Reprodução)

(Reprodução)

É claro, também, que em pouco tempo eu também comia pepino do mesmo jeito que ela, e aquele é um gosto que ainda hoje tenho na boca, de tão bom que era!
Nas amenas tardes do começo do calor, minha avó, além de me dar o espetáculo das suas gengivas desdentadas trabalhando, me deu o incomensurável presente das suas histórias.

Ela chegara ao Brasil prestes a fazer sete anos, oriunda da Lituânia, que a gente não sabia bem onde era e ela dizia que era na Rússia. Hoje sei muito bem que a Lituânia é, de novo, um país soberano depois da dissolução da União Soviética, mas, naqueles idos de 1960, a Lituânia era apenas um lugar nebuloso na minha geografia pitoca, que, de certo, só existia nas histórias da minha avó.

(Reprodução)

A bandeira atual da Lituânia, um dos três Países Bálticos (junto com Estônia e Letônia) e a primeira república soviética a se separar da união, em 1990 (Reprodução)

Ela se lembrava muito bem de como as coisas eram lá, e aquilo era muito mais empolgante do que qualquer livro com histórias de fadas, ainda mais contado por ela, a comer pepino com casca com as suas gengivas vazias. Do que ela se lembrava? Do inverno, com certeza a coisa mais marcante que guardara da sua primeira pátria. No inverno, andava-se de trenó por cima de muito gelo e, se se jogasse para cima um punhado de água com a mão, a água caía transformada em pedrinhas de gelo.

Eu a ouvia contar totalmente fascinada; daria qualquer coisa para conhecer um lugar assim, onde eu poderia produzir o meu próprio granizo o inverno inteiro, e não ter de esperar pelos raros granizos que já vira na minha terra de Blumenau. Nem tudo tinha sido fascinação nos invernos de gente pobre da Lituânia no final do século passado, claro que não.

A família da minha avó morava em casa exígua, que tinha como peça e/ou objeto principal o que ela chama de forno. Considerando que ela nunca aprendeu corretamente o português, eu creio que com forno, ela queria dizer lareira. Era em torno desse forno que a vida da família decorria no inverno. Dormia-se em torno dele; degelavam-se diante dele os repolhos e as batatas das parcas refeições, repolhos e batatas contados e recontados, para que durassem até o final do inverno, sempre mais escassos conforme a estação se adiantava.

A jovem Urda Klueger na sua priimeira comunhão (Adalberto Day)

E no forno, pensam que havia farta lenha para as chamas crepitantes? Nada disso, a lenha era racionada, o governo lituano só permitia que cada família cortasse pequeno trecho da floresta por ano, insuficiente para o calor na época das grandes neves. Era mister secar todo o esterco do gado e armazená-lo, para queimar quando a lenha acabasse.

O mais incrível de tudo o que a minha avó contava, porém, era sobre as visitas. Se se fizesse ou recebesse visita, ficava implícito que os visitantes trariam sua própria comida, já que o anfitrião não tinha o que oferecer à uma boca a mais. Seria isto possível, em algum lugar no mundo?

Esse fato ficava além da minha imaginação de menina criada em terra de fartura, e para exorcizá-lo, eu ia correndo buscar grossa fatias de pão de casa com manteiga e mussi de banana, o quitute preferido da minha infância. Enquanto eu mastigava o meu pão com mussi, minha avó placidamente continuava mascando suas finas fatias de pepino novo, a olhar, lá atrás dos morros, o Sol que se escondia.

Minha avó não tinha dentes. Mas como ela sabia contar histórias!

Um comentário sobre “Urda em A BOINA: Histórias da minha avó

  1. Preclaro amigo André, nosso Memorialista do Grande Garcia!
    A Urda merecia com certeza esta postagem e falando de sua avó.
    A Urda com muito orgulho é a escritora mais famosa do nosso Garcia, sim garciense ali do Zendron, ela representa todo nosso orgulho e carinho. Somos contemporâneos de bairro, de Escola, de cumplicidade com nossa gente e nossa história.
    Parabéns pela bela postagem e a Urda saúde, paz e harmonia.
    Adalberto Day cientista social e pesquisado da história em Blumenau

Deixe uma resposta