Gramming & Marbles (Indy): Na monotonia de Toronto, lance de sorte dá vitória a Will Power

Quem pode com a sorte de Power. Numa prova parada e sem muitas emoções, australiano teve um golpe de sorte a seu favor para faturar em Toronto (IndyCar)

Quem pode com a sorte de Power. Numa prova parada e sem muitas emoções, australiano teve um golpe de sorte a seu favor para faturar em Toronto (IndyCar)

(Douglas Sardo)

A F-Indy chegou no último domingo (17/07) às ruas de Exhibition Place em Toronto para a décima primeira etapa da temporada 2016. Após o massacre de Josef Newgarden no oval do milho, o piloto da Carpenter aparecia em segundo lugar na tabela, mas tanto ele como Will Power, o terceiro colocado, estavam quase 80 pontos atrás de Simon Pagenaud, líder inconteste do campeonato.

Com seis provas restando, a grande dúvida era se teríamos uma verdadeira briga pelo título nessa reta final. Depois da corrida nas terras canadenses, podemos dizer que é possível.

A largada prometia demais, com Scott Dixon fazendo a pole, desesperado para rever as chances de título. Hélio Castroneves fechava a primeira fila, seguido por Pagenaud e Power. Na partida, nenhuma alteração e Dixon seguia firme na ponta seguido por Hélio. O público em Toronto via uma prova sem grandes histórias, apenas duas bandeiras amarelas por causa de um acidente com Charlie Kimball, e mais uma trapalhada de Juan Pablo Montoya, que faz temporada esquecível.

Kanaan apostou numa estratégia ousada que não adiantou muito no final. (IndyCar)

Kanaan apostou numa estratégia ousada que não adiantou muito no final. Embora, mesmo inevitavelmente parando pela segunda vez, conseguiu um ótimo quarto lugar (IndyCar)

Enquanto Tony Kanaan arriscava tudo e parava muito cedo, Castroneves teve um pneu furado que o obrigou a fazer seu pit-stop um pouco antes do programado.
Após a primeira rodada de pits Dixon parecia ter a corrida na mão, chegando a abrir 7 segundos sobre Pagenaud. Power, que precisava pelo menos chegar à frente do francês, não parecia ter ritmo para alcançá-lo e se mantinha discreto em terceiro.
Com contas a fazer sobre consumo de combustível, Dixon começou a reduzir o ritmo para fazer apenas duas paradas. Mas aí veio o lance que decidiu a corrida.

Tentando ganhar terreno, Will Power antecipou sua troca. Só que o australiano ganhou muito mais do que poderia imaginar, pois no mesmo instante Newgarden, ainda com dores na mão após seu acidente no Texas, perdeu o controle de seu Chevrolet e parou no muro. A bandeira amarela foi acionada, e ninguém podia parar imediatamente, pois os boxes estavam fechados.

Dixon nos boxes, mais uma vez, a tentativa de rever as chances de título ficaram pelo caminho. Ele terminou apenas em nono (IndyCar)

Dixon nos boxes, mais uma vez, a tentativa de rever as chances de título ficaram pelo caminho. Ele terminou apenas em oitavo(IndyCar)

Na volta seguinte todos pararam, exceto Tony Kanaan que fazia uma estratégia ousada. O piloto da Ganassi era seguido por Power, que tinha a vitória nas mãos já que Kanaan teria que parar mais uma vez. Dixon e Pagenaud tinham suas corridas arruinadas e apareciam fora do top 10.

Após a relargada, Kanaan voou, abrindo grande vantagem sobre Power, que apenas administrava, esperando a derradeira parada do baiano. Tony finalmente parou, mas com a diferença que ele abriu, mais Dixon e Pagenaud presos no tráfego, o brasileiro conseguiu voltar em excelente quarto lugar.

Helinho até teve a chance de buscar a ponta com uma bandeira amarela no final, mas ficou mesmo em segundo lugar (IndyCar)

Helinho até teve a chance de buscar a ponta com uma bandeira amarela no final, mas ficou mesmo em segundo lugar (IndyCar)

Faltando poucas voltas para o fim, Hakwsworth bateu, e Montoya tratou de imitá-lo, batendo no mesmo lugar! Nova bandeira amarela, e agora os fiscais corriam em desespero para limparem a pista para que a última volta fosse em bandeira verde.
Era uma grande chance para Castroneves, que aparecia em segundo após boas ultrapassagens.

Mas ele não conseguiu ameaçar Power, que venceu tranquilo e viu suas chances de título aumentarem bastante, especialmente com Pagenaud terminando apenas em nono. Destaque para James Hinchcliffe, que conseguiu levar a Schmidt Peterson ao pódio. Takuma Sato também brilhou, terminando em quinto.

James Hinchcliffe, um dos destaques da prova, terminou em um ótimo terceiro lugar. O japa Takuma Sato também brilhou, foi o quinto (IndyCar)

James Hinchcliffe, um dos destaques da prova, terminou em um ótimo terceiro lugar. O japa Takuma Sato também brilhou, foi o quinto (IndyCar)

Os 10 mais – Corrida:

1 – Will Power (Penske-Chevrolet)
2 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet)
3 – James Hinchcliffe (Schmidt Peterson-Honda)
4 – Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet)
5 – Takuma Sato (Foyt-Honda)
6 – Mikhail Aleshin (Schmidt Peterson-Honda)
7 – Sébastien Bourdais (KVSH-Chevrolet)
8 – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet)
9 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet)
10 – Marco Andretti (Andretti-Honda)

O feliz pódio em Toronto. Depois da prova na terra da folha de bordo, a Indy pode dizer que tem um campeonato aberto (IndyCar)

O feliz pódio em Toronto. Depois da prova na terra da folha de bordo, a Indy pode dizer que tem um campeonato aberto (IndyCar)

Os 6 mais – Campeonato:

1 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet) 432
2 – Will Power (Penske-Chevrolet) 385
3 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet) 358
4 – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet) 349
5 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet) 344
6 – Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet) 339

A Indy se reúne novamente no dia 31, no rápido e desafiador misto de Mid-Ohio, famoso pelas curvas cegas.

Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s