Gramming & Marbles (Indy): Em Mid-Ohio, Pagenaud vence, freia reação de Power e chega mais perto do título

Pagenaud comemora mais uma vitória em 2016. Esta em Mid-Ohio pode ter sido a conta mais importante para garantir o titulo da temporada, neutralizando Will Power (IndyCar)

Pagenaud comemora mais uma vitória em 2016. Esta em Mid-Ohio pode ter sido a conta mais importante para garantir o titulo da temporada, neutralizando Will Power (IndyCar)

(Douglas Sardo)

A F-Indy desembarcou na pequena cidade de Lexington, Ohio, com o australiano Will Power em franca ascensão. Eram três vitórias nas últimas quatro corridas, e a vantagem de Simon Pagenaud vinha caindo. O francês já havia tentado uma resposta em Toronto, mas um golpe de sorte deu à Power uma vitória improvável.

Na belíssima atmosfera de Mid-Ohio, porém, Pagenaud tratou de colocar ordem na casa garantindo um triunfo que pode ter definido o campeonato a seu favor, após uma trapalhada homérica da Schmidt-Peterson ter tirado um surpreendente Mikhail Aleshin da briga pela vitória.

Mais festa de Pagenaud. Corrida não teve lá tantas emoções como esperado, prova dos equivocados kits aerodinâmicos, outra vez vitimas da lingua ferina de Teo José (IndyCar)

Mais festa de Pagenaud. Corrida não teve lá tantas emoções como esperado, prova dos equivocados kits aerodinâmicos, outra vez vitimas da língua ferina de Téo José (IndyCar)

Treinos e o clima clássico de Mid-Ohio

Antes de mais nada, é preciso elogiar o evento da Indy em Mid-Ohio. Foi possível ver aqueles famosos trailers estacionados nas redondezas do circuito, numa região rural com atmosfera perfeita para automobilismo fazendo remeter aos anos 70. Já vimos algo parecido esse ano em Elkhart Lake, e aguardamos ansiosamente pelo retorno de Watkins Glen no início de setembro. Sem dúvidas é muito elogiável o retorno dessas praças à categoria.

Com os carros na pista, Scott Dixon vinha muito bem durante os treinos, mas na classificação acabou tendo problemas e só conseguiu o 11º tempo. Era o início de mais um fim de semana difícil para o atual campeão. Pagenaud tratou de fazer a pole, seguido por Power.

A corrida

Largada em Mid-Ohio  (IndyCar)

Largada em Mid-Ohio, com Pagenaud largando bem e abrindo para Power. Até ai, nada demais. (IndyCar)

A largada não trouxe mudanças na frente, e Pagenaud tratou logo de abrir uma diferença confortável. A corrida era monótona, os kits aerodinâmicos infelizmente não casando com a pista que tem uma reta muito curta. Novamente ,Téo José criticou a fórmula adotada esse ano: esses kits aerodinâmicos foram um tiro no pé para a categoria, disse o veterano narrador da Bandeirantes, que não tem papas na língua há muito tempo.

Os pneus macios gastavam rapidamente e muitos logo foram para os boxes, Hélio Castroneves entre eles. O brasileiro voltou à frente de Dixon, que também já havia parado. O piloto da Ganassi tentou uma manobra e Castroneves fechou-lhe a porta, os dois bateram e Dixon teve que abandonar. Bandeira amarela e os líderes todos correram para os boxes.

(IndyCar)

Helinho escapou por pouco de uma carambola com Scott Dixon, numa manobra arriscada. Não escaparia mesmo de Max Chilton, saindo da pista e danificando o Chevy da Penske (IndyCar)

Com bandeira verde, Juan Pablo Montoya aparecia na ponta por não ter parado, enquanto Hélio tentava superar Max Chilton. O brasileiro perdeu o controle de seu Chevy e saiu da pista, talvez por conta dos danos do toque com Dixon. O piloto da Penske despencou na classificação.

Após o grupo da frente parar quem aparecia na ponta era o surpreendente Mikhail Aleshin, um dos pilotos que fez sua troca antes da bandeira amarela. A tática do russo era interessante, e ele começava a pintar como candidato à vitória. Na segunda rodada de trocas, Pagenaud foi o primeiro dos líderes a parar e se deu mal: Voltou no meio do tráfego, perdendo muito tempo. Power viu a oportunidade, foi para os boxes e conseguiu voltar à frente do rival.

O russo quase fez história: Com uma estratégia diferente, Mikhail Aleshin estava brigando seriamente pela vitória. Isto até a própria equipe cometer um erro crasso no momento de soltar o carro nos boxes. Um pecado para o esforçado Aleshin (IndyCar)

O russo quase fez história: Com uma estratégia diferente, Mikhail Aleshin estava brigando seriamente pela vitória. Isto até a própria equipe cometer um erro crasso no momento de soltar o carro nos boxes. Um pecado para o esforçado Aleshin (IndyCar)

Após a rodada de trocas terminar, Aleshin liderava com quase 10 segundos sobre Power, que era atacado por Pagenaud. Porém a pista oferecia poucos pontos de ultrapassagem, e o francês perdeu um pouco de contato. Tudo corria a favor de Aleshin e Power… Mas faltando 30 voltas para o fim, o sempre barbeiro Jack Hawksworth acabou saindo da pista ao tentar passar por Marco Andretti e bateu forte no muro. Bandeira amarela e caos nos boxes.

Aleshin tinha tudo para sair na liderança e lutar pela vitória, mas sua equipe fez uma trapalhada digna de comédia pastelão, liberando seu carro no momento em que Josef Newgarden passava no pit-lane, com os dois quase batendo. O russo tinha suas chances destruídas após liderar mais de um terço da prova. O líder agora era Conor Daly, que não havia parado, seguido por Power e Pagenaud. Na relargada o francês partiu com muita agressividade e num raro momento de automobilismo puro da prova, os dois companheiros da Penske chegaram a tocar rodas num duelo sensacional, com o francês levando a melhor. Belíssima manobra.

Conor Daly também teve atuação destacada. Andou forte e deixou tudo para um último splash & go decisivo. Deu certo e ainda contou com a sorte para ser o sexto (IndyCar)

Conor Daly também teve atuação destacada. Andou forte e deixou tudo para um último Splash & Go decisivo. Deu certo e ainda contou com a sorte para ser o sexto (IndyCar)

Enquanto isso, Daly voava num ritmo suicida à frente, claramente repetindo a tática de Tony Kanaan em Toronto, abrindo vantagem para fazer um derradeiro Splash & Go. Funcionou. O piloto da Dale Coyne conseguiu voltar em oitavo, e com a batida entre Takuma Sato e Sébastien Bourdais, acabou herdando um belo sexto lugar.

Pagenaud venceu de forma tranquila, um golpe duro em Will Power que teve de se contentar com o segundo posto. Carlos Muñoz levou seu Honda a um belíssimo pódio, em ano difícil para a equipe Andretti. Tony Kanaan foi discreto e terminou em 12º. Castroneves foi 15º. Aleshin terminou em dolorido 17º lugar…

Tony Kanaan, ainda pensando no que fazer no futuro - e que deve ser mesmo na Indy - foi discreto, embora o melhor dos brasileiros. Terminou apenas em 12ª (IndyCar)

Tony Kanaan, ainda pensando no que fazer no futuro – e que deve ser mesmo na Indy – foi discreto, embora o melhor dos brasileiros. Terminou apenas em 12ª (IndyCar)

Os 10 mais – Corrida:

1 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet)
2 – Will Power (Penske-Chevrolet)
3 – Carlos Muñoz (Andretti-Honda)
4 – Graham Rahal (Rahal Letteraman Leningan-Honda)
5 – James Hinchcliffe (Schmidt Peterson-Honda)
6 – Conor Daly (Dale Coyne-Honda)
7 – Spencer Pigot (Carpenter-Chevrolet)
8 – Charlie Kimball (Ganassi-Chevrolet)
9 – Takuma Sato (Foyt-Honda)
10 – Josef Newgarden (Carpenter-Honda)
12- Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet)
15 – Helio Castroneves (Penske-Chevrolet)

Ficou difícil. A vitória de Pagenaud em Mid-Ohio obriga Will Power a usar tudo que tem em busca do título. Ele foi o segundo, e o champagne não serviu pra consolo (IndyCar)

Ficou difícil. A vitória de Pagenaud em Mid-Ohio obriga Will Power a usar tudo que tem em busca do título. Ele foi o segundo, e o champagne não serviu pra consolo (IndyCar)

Os 6 mais – Campeonato:

1 – Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet) 484
2 – Will Power (Penske-Chevrolet) 426
3 – Hélio Castroneves (Penske-Chevrolet) 373
4 – Josef Newgarden (Carpenter-Chevrolet) 364
5 – Scott Dixon (Ganassi-Chevrolet) 357
6 – Tony Kanaan (Ganassi-Chevrolet) 357

Target/Ganassi na Indy – Fim da parceria

Durante a semana em Ohio, uma notícia deixou tristes muitos fãs da Indy: Foi anunciado o fim da parceria entre a equipe de Chip Ganassi e a rede de varejo Target na Indycar Series, após 26 anos e 27 temporadas de colaboração. Foi com o apoio da Target que a equipe, criada no início dos anos 90, se tornou uma das maiores forças do automobilismo americano, vencendo 11 campeonatos na Fórmula Indy e conseguindo 4 vitórias nas 500 milhas de Indianápolis.

A primeira aparição, com Eddie Cheever em 1990, e a recente nas mãos de Scott Dixon. A presença da Target nos carros da Chip Ganassi termina em 2016 na Indy, continuando apenas na divisão Nascar do american red team. Mais um ícone que chega ao fim (IndyCar)

A primeira aparição, com Eddie Cheever em 1990, e a recente nas mãos de Scott Dixon. A presença da Target nos carros da Chip Ganassi termina em 2016 na Indy, continuando apenas na divisão Nascar do american red team. Mais um ícone que chega ao fim (IndyCar)

2016730177494_JGS_4428-1_II

Pilotos como Jimmy Vasser, Alex Zanardi, Juan Pablo Montoya, Dario Franchitti e Scott Dixon se consagraram com o tradicional vermelho da empresa, sem esquecer outros pilotos defensores do alvo vermelho, como Eddie CheeverArie Luyendyk, Michael Andretti, Brian HertaBruno Junqueira e outros tantos. Uma perda muito sentida por todos que acompanham o esporte, sem dúvidas. Mas também fica o sinal de alerta para a categoria, já que a Target deve continuar patrocinando a Ganassi em outra empreitada, na NASCAR

Veja alguns ilustres que já vestiram o tal vermelho Target da Chip Ganassi:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Futuro incerto de Alexander Rossi

Outra parceria que parece estar com os dias contados é a de Alexander Rossi, vencedor das 500 milhas, com a equipe Andretti-Herta. As notícias dão conta de que Brian Herta vêm tentando renovar o contrato com seu piloto, mas Rossi não quer se comprometer nesse momento pois quer ter a porta aberta para um retorno à Fórmula Um.

Para onde vai Alexander Rossi? O vencedor da centésima Indy 500 ainda sonha com a F1, sendo talvez este sonho o que impede o piloto de ficar na Indy, talvez na mesma Andretti-Herta (IndyCar)

Para onde vai Alexander Rossi? O vencedor da centésima Indy 500 ainda sonha com a F1, sendo talvez este sonho o que impede o piloto de ficar na Indy, talvez na mesma Andretti-Herta (IndyCar)

Vamos aguardar e ver o que o futuro reserva para esse jovem piloto americano. Quanto a Indy, a próxima etapa acontece em 21 de Agosto, no magnífico tri-oval de Pocono.

Até lá e forte abraço!

Deixe uma resposta