Gramming & Marbles (MotoGP): O fim da maldição, Ianonne vence a primeira e tira Ducati do jejum

Forza, Ducati! Depois de trapalhadas que colocaram em xeque sua competência como piloto, Andrea Ianonne leva a Desmosedici a vitória na Áustria. Tento que não vinha desde os "Stoner times", na bela Philip Island, em 2010 (Reprodução)

Forza, Ducati! Depois de trapalhadas que colocaram em xeque sua competência como piloto, Andrea Ianonne leva a Desmosedici a vitória na Áustria. Tento que não vinha desde os Stoner times, na bela Philip Island, em 2010 (Reprodução)

(Douglas Sardo)

Nada como boas férias para botar as idéias no lugar, não é mesmo? Pois é, essa frase batida cai como uma luva para a dupla de pilotos da Ducati. Ambos jogaram pela janela várias oportunidades de pódio, e até mesmo de vitórias nessa temporada. Ninguém tinha dúvidas sobre o potencial das Desmosedici, mas a grande questão era se os pilotos se recuperariam de tantas trapalhadas e finalmente levariam a equipe italiana de volta ao lugar mais alto do pódio.

Eis que nas longas retas do circuito de Spielberg, enfim, veio o triunfo. Primeira vitória de Andrea Iannone na MotoGP, com Andrea Dovizioso em segundo, fechando a dobradinha tutti italiani.

Treinos: Acidentes de Márquez e Miller, batalha furiosa pela Pole-Position

Marc Márquez chegou tranquilo para o fim de semana austríaco, afinal carregava no bolso uma vantagem de quase 50 pontos para Jorge Lorenzo no mundial. Mas essa tranquilidade quase virou desespero, quando no terceiro treino livre, no sábado, o espanhol sofreu um tombo ao desviar da moto do próprio companheiro de Honda, Dani Pedrosa. A queda foi perigosa, e Márquez deslocou o ombro esquerdo.

Jack Miller no chão. Não é cena de "Jackass", o australiano teve um violento tombo e fraturou a quinta vértebra (Reprodução)

Jack Miller no chão. Não é cena de Jackass, o australiano teve um violento tombo e fraturou a quinta vértebra (Reprodução)

Mas para um piloto de moto isso não chega a ser novidade, conforme Márquez disse: Não é a primeira vez que desloco o ombro, então eu o coloquei no lugar novamente.
Mesmo assim, o piloto espanhol foi levado ao hospital para alguns exames, mas conseguiu voltar a tempo para o treino classificatório onde marcou o quinto melhor tempo.

Enquanto a Hormiga se desdobrava com suas dores e uma Honda instável, a batalha pela pole entre as Ducati e as Yamaha foi titânica! Faltando menos de um minuto para o fim da sessão, Lorenzo tinha o melhor tempo, mas Valentino Rossi tratou de arrancar de seu companheiro o lugar de honra. O tempo já havia zerado mas Iannone vinha em sua volta derradeira e roubou a pole de Rossi. Dovizioso ainda conseguiu o terceiro posto, e Lorenzo teve de se contentar com o quarto lugar.

Outro na chon! O líder do campeonato Marc Márquez achou o asfalto e teve de dar uma de quiroprático para colocar o ombro de volta no lugar (Reprodução / TV)

Outro na chon! O líder do campeonato Marc Márquez achou o asfalto e teve de dar uma de quiroprático para colocar o ombro de volta no lugar (Reprodução / TV)

O treino foi espetacular, aumentando ainda mais a expectativa para a corrida. Durante o Warm-Up, porém, a prova perdeu um grande personagem: Jack Miller sofreu um tombo forte na curva 8 e teve fraturas no punho direito e na sexta vértebra. O piloto largaria da 20ª posição, mas não pôde participar do certame.

No apagar das luzes, Ianonne foi o pole. Bons presságios para as Desmosedici (Getty Images)

No apagar das luzes, Ianonne foi o pole. Bons presságios para as Desmosedici (Getty Images)

Corrida: Yamahas não conseguem superar a velocidade das Ducati

Rossi chegou a emparelhar e ameaçar a vitória das Ducati. Em vão, as azuis da Yamaha foram escolta de luxo dos italianos (Getty Images)

Rossi chegou a emparelhar e ameaçar a vitória das Ducati. Em vão, as azuis da Yamaha foram escolta de luxo dos italianos (Getty Images)

Na largada, Rossi caiu para quinto, só que Márquez e Lorenzo espalharam na curva 1 e o número 46 voltou rapidamente para terceiro. A partir daí, Valentino fez mais uma de suas primeiras voltas fulminantes, passando as duas Ducati e assumindo a ponta ao final do primeiro giro! Sensacional!

Porém, essa liderança durou menos que a corrida de Usain Bolt nos 100m , pois Iannone aproveitou a grande reta para assumir a ponta novamente na curva 1. Rossi tentou responder, mas não tinha como encarar a impressionante força das Ducati nas retas abundantes da pista austríaca. Como bem notou o grande Márcio Madeira da Cunha no GPTotal, o que restou do traçado de Zeltweg é basicamente um triângulo, gerando um cenário onde tudo o que realmente importa é a aceleração em linha reta…

Deficiências do novo traçado à parte, Lorenzo tratou de superar Rossi e ir à caça de Iannone. Os dois travaram um bom duelo, mas Jorge não conseguiu a liderança. Pior, foi ultrapassado por Dovizioso, que deixara Rossi na quarta posição. Com as duas Ducati em primeiro e segundo, todos devem ter se lembrado dos acidentes protagonizados pela dupla ao longo do ano.

Para recordar, Casey Stoner entre Lorenzo e Rossi em Philip Island, 2010. A última vez que a Ducati subiu no topo do pódio (Reprodução)

Para recordar, Casey Stoner entre Lorenzo e Rossi em Philip Island, 2010. A última vez que a Ducati subiu no topo do pódio (Reprodução)

Os rostos nos boxes da equipe eram de preocupação, com as presenças ilustres de Casey Stoner e Michael Doohan. Será que Iannone e Dovi jogariam mais uma vitória no lixo? Não dessa vez! Iannone se defendeu dentro dos limites, e foi ultrapassado na boa por Dovizioso. Na verdade, Iannone foi o único piloto a apostar nos pneus dianteiros macios, (contra a recomendação da Michelin) por isso poupou sua moto nessa fase intermediária da prova.

Faltando oito voltas para o fim, Crazy Joe, como é conhecido, fez o ataque decisivo sobre seu companheiro, e rumou à sua primeira vitória na MotoGP, e a primeira vitória da Ducati desde o triunfo de Stoner em Phillip Island em 2010. Restou às Yamaha comboiarem os vermelhos, com Lorenzo em terceiro e Rossi em quarto. Márquez sofreu com uma Honda visivelmente intratável e terminou em quinto, perdendo apenas cinco pontos para Lorenzo e dois para Rossi no campeonato.

Ianonne a frente de Dovizioso. O grande medo era de mais uma trapalhada tirar as Ducati da ponta. Desta vez, Ianonne foi certeiro no ataque e mereceu os louros (Getty Images)

Ianonne a frente de Dovizioso. O grande medo era de mais uma trapalhada tirar as Ducati da ponta. Desta vez, Ianonne foi certeiro no ataque e mereceu os louros (Getty Images)

No pódio, Iannone era só alegria contrastando com Dovizioso, claramente abatido por ter perdido para seu companheiro e encrenqueiro tachado a primeira vitória pós-Stoner da Ducati. Lorenzo vibrou muito pelo terceiro lugar, após duas provas tenebrosas na chuva em Assen e Sachsenring.

Os 10 mais – Corrida:

1 – Andrea Iannone (Ducati)
2 – Andrea Dovizioso (Ducati)
3 – Jorge Lorenzo (Yamaha)
4 – Valentino Rossi (Yamaha)
5 – Marc Márquez (Honda)
6 – Maverick Viñales (Suzuki)
7 – Dani Pedrosa (Honda)
8 – Scott Redding (Pramac Ducati)
9 – Bradley Smith (Tech 3 Yamaha)
10 – Pol Espargaró (Tech 3 Yamaha)

No pódio, a alegria de Ianonne, o despeito de Dovizioso, que talvez era o mais cotado para esta volta as vitórias da Ducati (Getty Images)

No pódio, a alegria de Ianonne, o despeito de Dovizioso, que talvez era o mais cotado para esta volta as vitórias da Ducati (Getty Images)

Os 6 mais – Campeonato:

1 – Marc Márquez (Honda) 181
2 – Jorge Lorenzo (Yamaha) 138
3 – Valentino Rossi (Yamaha) 124
4 – Dani Pedrosa (Honda) 105
5 – Maverick Viñales (Suzuki) 93
6 – Andrea Iannone (Ducati) 88

Mau humor na Aprillia

Azedumes nos lados da Minardi da MotoGP. Bradl e Bautista tomaram ganchos por uma queima na largada, terminaram a prova sem pontos depois de muito tempo e tem as cadeiras no time italiano severamente ameaçadas (Getty Images)

Azedumes nos lados da Minardi da MotoGP. Bradl e Bautista tomaram ganchos por uma queima na largada, terminaram a prova sem pontos depois de muito tempo e tem as cadeiras no time italiano severamente ameaçadas (Getty Images)

Desde o GP do Japão de 2015 que a Aprillia não sabia o que era sair de uma prova da MotoGP sem nenhum pontinho. Mas na corrida em Spielberg, Alvaro Bautista e Stefan Bradl terminaram respectivamente em 16º e 19º e não conseguiram pontuar.

O principal motivo desse fracasso foi que os dois pilotos da equipe queimaram a largada, numa reação em cadeia provocada pela antecipação de Cal Crutchlow e Hector Barberá (que inclusive foi desclassificado por não cumprir sua punição). O clima na Aprillia não ficou nada bom, com Romano Albesiano, chefe do time, criticando abertamente seus pilotos, que serão substituídos para a próxima temporada por Aleix Espargaró e o britânico da Moto2, Sam Lowes.

KTM dá uma palinha de sua estréia.

Apresentando a RC16: A motoca da tradicional KTM que fará estreia na MotoGP, de forma oficial, em 2017. Mas já deu palhinha diante os austríacos (Reprodução)

Apresentando a RC16: A motoca da tradicional KTM que fará estreia na MotoGP, de forma oficial, em 2017. Mas já deu palhinha diante os austríacos (Reprodução)

Aproveitando a corrida em sua terra natal, a KTM apresentou oficialmente o modelo RC16, com o qual vai competir a partir do ano que vem na MotoGP. O livery da moto traz as cores da onipresente marca de energéticos Red Bull, além do alaranjado, cor da marca austríaca de grande tradição nas categorias de base da MotoGP e nos campeonatos de Motocross.

Mika Kallio e Alex Hoffmann, pilotos de teste da marca, na demonstração em Zeltweg (Reprodução)

Mika Kallio e Alex Hoffmann, pilotos de teste da marca, na demonstração em Zeltweg. Chama a atenção o tradicional Red Bull e o laranja da KTM, cor tradicional da marca, presente nas categorias de base e com força no Motocross mundial (Reprodução)

A equipe virá com a dupla de pilotos formada por Bradley Smith e Pol Espargaró, mas fará sua estréia na última prova desse ano em Valência, com uma entrada wild card para Mika Kallio, piloto de testes do time.

Punição para Petrucci

Petrucci (moto 9) persegue Laverty (moto 50). Choque do italiano com o inglês mereceu punição para o grid na República Checa (Getty Images)

Petrucci (moto 9) persegue Laverty (moto 50). Choque do italiano com o inglês mereceu punição para o grid na República Checa (Getty Images)

Danilo Petrucci fechou a prova da Áustria em 11º lugar, mas a forma como ele conseguiu esse resultado gerou polêmica. Na última volta, o piloto da Pramac travava duelo acirrado com Eugene Laverty durante toda a última volta da corrida. Na curva derradeira, Petrucci tentou uma ultrapassagem suicida, derrubou Laverty, e fechou com o 11º lugar.

Os comissários decidiram punir o italiano com três posições no grid para a corrida em Brno, que acontece no próximo final de semana, dia 21 de Agosto. Lembrando que também no próximo domingo, temos a etapa de Pocono da Fórmula Indy!

Até lá!

Deixe uma resposta