Urda em A BOINA: Um dia, a infância!

(Reprodução)

(Reprodução)

(Urda Alice Klueger)

Excerto do meu livro “No tempo da Ana Bugra”, publicado em 2016.

Se podia haver um lugar fascinante para uma criança morar era aquela casa! Havia um espaço vazio onde talvez no passado se guardasse forragem para o gado e onde se podia brincar de escolinha quanto se quisesse! Os primos atravessavam a rua e vinham brincar com a gente, apenas os menores, claro, Afonso, Jorge Luiz, Ruth e Darcy. Acho que os demais já estavam grandes demais para brincarem de escolinha, não lembro muito direito. Mas sei que tínhamos sobras de cadernos e tocos de lápis de escrever e de colorir, e aquela brincadeira era a minha preferida.

Alguém me ensinou que o número 4 era uma cadeirinha, e então eu o escrevia invertido, como se fosse uma cadeirinha mesmo, onde uma fadinha minúscula pudesse se sentar a qualquer momento. Eram infindáveis as possibilidades de uma escolinha, e sem saber ler ou escrever, eu tentava me expressar desenhando, e desenhava canecas amarelas com flores vermelhas, e casinhas com árvores do lado, e outras coisas assim. Nunca consegui desenhar um cachorro, ou uma vaca, coisa que tanto queria. Hoje, já com um pé na terceira idade, tenho absoluta certeza de que não nasci para desenhar, embora naquela altura tivesse tanta vontade de fazê-lo.

(Reprodução / Adalberto Day)

Urda na juventude (Reprodução / Adalberto Day)

Mas falei um pouco antes nas manjedouras que continuavam lá construídas, ao lado da casa adaptada. Céus, aquilo era uma coisa tão maravilhosa que sequer conseguira sonhar antes! Cada manjedoura daquela, com seu cocho para colocar capim e ração, podia ser transformada na sala de um castelo, e o conjunto virava um castelo todo, embora a única referência que eu tinha sobre castelos era o que já vira no livro de pano da Branca de Neve que a minha tia Frieda Klueger Klein um dia trouxera do Rio de Janeiro, onde morava, e nos presenteara. Então, com primos ao alcance da mão, uma escola, um castelo, um limoeiro e uma bica onde nadavam ágeis girinos, o que podia uma criança querer mais?

O caso é que havia mais, muito, muitíssimo mais! Penso que o mais fascinante de tudo, para mim, eram as vacas do tio Júlio! Eram cerca de 40 vacas holandesas, quase todas premiadas, enormes e mansas vacas de olhos líquidos que produziam, cada uma, até 40 litros de leite por dia. Aquelas vacas eram as que produziam todo o leite que era consumido no Hospital Santa Isabel, além de suprirem as vizinhanças de leite, queijinho branco, nata e manteiga.

(Reprodução)

(Reprodução)

Elas eram tratadas com muito carinho e cuidado, e todos os dias mudavam duas vezes de pasto. Como tio Júlio tinha diversos pastos, às vezes elas passavam lá em casa e em outras vezes não, e penso que a coisa mais emocionante daqueles tempos da minha vida era ficar olhando o desfile daquelas vacas calmas e mansas rua afora, quando elas passavam lá em casa. Tio Júlio ia junto com elas, chamando-as assim:

Kommt, kommt, kommt … – e também sempre iam alguns primos, e quando minha mãe dizia:

Lá vem o gado do Júlio! – a gente corria de imediato para a cerca de arame farpado que nos separava da estrada, para ver as grandes vacas passarem com toda a calma balançando seus úberes enormes. Caso chovesse, íamos para o nosso castelo nas antigas manjedouras, e lembro como a minha irmãzinha Margaret, toda lindinha, e que estava com três anos e aprendia a contar, ia fazendo a contagem do gado:

Um gado, dois gados, três gados…

(Reprodução)

(Reprodução)

Eu já tinha idade para estar alerta àquela discordância de português, e então tentava ensiná-la que tudo aquilo era um gado só, mas acho que não me saía muito bem, pois no outro dia lá estava ela de novo:

Um gado, dois gados, três gados…

Em algum momento algum adulto deve ter interferido, pois então ela deixou de contar assim. Lembro como era bonitinha assim aos três anos, essa minha irmã, com um rostinho bem desenhado envolto por anéis de cabelos castanhos, usando roupinhas de algodão que a minha mãe havia costurado. Havia uma grande doçura enquanto ficávamos ali vendo o gado passar junto com os primos, no aconchego daquelas manjedouras que um dia haviam abrigado bezerrinhos.

Aquelas grandes e mansas vacas do Tio Júlio ficariam na minha alma para sempre: Mais para a frente, iriam povoar meus livros, e hoje, quando acordo nas manhãs, a primeira coisa que vejo no meu quarto é uma linda vaca holandesa pintada por Telomar Florêncio, bem à frente da minha cama.

Telomar Florêncio (Mariana Florêncio)

Telomar Florêncio (Mariana Florêncio)

É uma coisa assim meio mágica – tanto amor eu tinha pelas vacas e aquela foi a única vaca que o Telomar Florêncio pintou, e ela veio parar bem na minha parede!

Anúncios

Um comentário sobre “Urda em A BOINA: Um dia, a infância!

  1. André,
    Nós que lemos e fomos no dia do lançamento do Livro sobre A Ana Bugra, sabemos o quanto tudo isso foi importante.
    A Urda aqui no Zendron teve uma infância simples, porém recheada de magias e carinho. Outros tempos!
    Adalberto Day cientista socila e pesquisador da história em blumenau.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s