Vagões de Lembranças: Jornalista Felipe Adam recorda a EFSC em livro

Hora de voltar a ouvir o apito do trem outra vez. Nas páginas de Vagões de Lembranças, livro-reportagem do jornalista Felipe Adam, uma volta ao tempo em memórias da saudosa Estrada de Ferro Santa Catarina EFSC) Reprodução)

Hora de voltar a ouvir o apito do trem outra vez. Nas páginas de Vagões de Lembranças, livro-reportagem do jornalista Felipe Adam, uma volta ao tempo em memórias da saudosa Estrada de Ferro Santa Catarina (EFSC) (Reprodução)

(Nane Pereira / Nane Pereira Comunicação & Arte)

Trilhos, pontes e túneis do Vale do Itajaí. Memórias, saudosismo e emoção. Este é o enredo do livro-reportagem Vagões de Lembranças, do jornalista e escritor Felipe Adam, que durante dois anos pesquisou e registrou o trajeto, as lembranças e as narrativas de personagens envolvidos com a história da Estrada de Ferro Santa Catarina (EFSC). A obra será lançada no dia 9 de novembro, às 19h30, na Livraria Blulivro, do Shopping Park Europeu, em Blumenau.

O evento é gratuito e aberto ao público e o livro custa R$ 24,90. Com a coordenação editorial da jornalista Soila Freese, projeto gráfico e capa do designer Roberto Lanznaster, o livro é patrocinado pelo Fundo Municipal de Apoio à Cultura, no qual 300 exemplares serão distribuídos gratuitamente para a rede pública de ensino, universidades do município e arquivo histórico.

Eis o jornalista e escritor Felipe Adam. Reprodução)

Eis o jornalista e escritor Felipe Adam. Inspiração maior vem das memórias dos pais, que tinham uma ligação diária com a ferrovia (Reprodução)

A EFSC foi a única ferrovia do Brasil construída com tecnologia alemã. Puxou o progresso e foi a grande responsável pelo desenvolvimento das cidades do Vale do Itajaí. Locomotivas e vagões que eram tidos como parte da família. Sessenta e dois anos de história espalhados por 180 quilômetros de trilhos que, hoje, dão lugar ao modal rodoviário. Neste livro-reportagem, tentei me pautar não na história propriamente dita, mas nos bastidores dela. Os funcionários da linha férrea, vizinhos de estações, as pessoas que simplesmente andavam de trem para visitar os familiares. Foi a vivência delas que me fez entender uma época diferente, de mais de quatro décadas atrás, mas que ainda permanece muito viva na memória das pessoas”, diz o escritor e jornalista Felipe Adam.

Para a coordenadora editorial do livro, Soila Freese, a EFSC deixou um rico patrimônio material e imaterial nas cidades por onde passou. Deixou também fortes marcas naqueles que testemunharam a sua história. Para muitos, ficou a saudade do barulho do trem, passando próximo ao quintal da casa. Para outros, a doce lembrança de uma infância onde o trem foi o protagonista, o personagem que diariamente trazia o encanto do apito e da fumaça, complementa.

Segundo Adam, a ideia de escrever o livro surgiu ao ouvir uma conversa, em um Domingo de Páscoa com a família, em 2012. Desde pequeno ouço as histórias de minha mãe, moradora próxima de um ponto de embarque em Blumenau e de meu pai, natural de Presidente Getúlio, que, para poder andar de trem pegava o ônibus da ferrovia que fazia a ligação até Ibirama, local da estação mais próxima. Devido a estes dois fatores e também pelo fato de ter proximidade com as três principais cidades do leito ferroviário – Itajaí, Blumenau, Rio do Sul – optei em ir ao encontro da própria história, explica.

Em março deste ano, A BOINA recordou um pouco da história, em texto e imagens, da EFSC, recordando naquela ocasião os 45 anos da erradicação da estrada de ferro, em 1971. Quem quiser já preparar o coração para a obra de Felipe Adam, pode clicar e conhecer mais.

A Macuca testando os trilhos em 1909 e, abaixo, o trem nas últimas viagens, próximo de 1971. A EFSC foi um grande motor do progresso  do Vale, que além de transportar carga e pessoas, carregou também poesias, recordações e encantamentos de tempos românticos Reprodução / Adalberto Day / Angelina Wittmann)

A Macuca testando os trilhos em 1909 e, abaixo, o trem nas últimas viagens, próximo de 1971. A EFSC foi um grande motor do progresso do Vale, que além de transportar carga e pessoas, carregou também poesias, recordações e encantamentos de tempos românticos (Reprodução / Adalberto Day / Angelina Wittmann)

002-e1457699953254

Sobre o jornalista e escritor

Reprodução)

Reprodução)

Natural de Blumenau (SC). É graduado em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Atuou como repórter em revistas e televisão, e, como locutor em eventos. Atualmente, trabalha como professor e coordenador pedagógico em curso pré-vestibular. Interessado por assuntos que envolvam a História e a Literatura, Vagões de lembranças é fruto do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e também é o seu primeiro livro.

 

 

Serviço:

imagem_release_776385O que: Lançamento do livro “Vagões de Lembranças”, de Felipe Adam
Quando: 09 de novembro, às 19h30
Onde: Livraria Blulivro, no Shopping Park Europeu, via Expressa, Blumenau (SC)
Ingresso: Entrada gratuita e aberta ao público
Valor de lançamento do livro: R$ 24,90
Coordenação Editorial: Soila Freese

Um comentário sobre “Vagões de Lembranças: Jornalista Felipe Adam recorda a EFSC em livro

  1. Felipe,
    Parabéns pelo trabalho. Assim vamos mantendo viva nossa história.
    Que obtenha muito sucesso com o livro, e com certeza terá, nem que seja apenas para pesquisas, mas valerá a pena.
    Adalberto Day cientista social e pesquisador da história em Blumenau.

Deixe uma resposta