Trapamédicos: Excelência em “besteirologia” e carinho há 10 anos

Eles são mais de 50 e sua especialidade clínica - a qual dominam com louvor - e fazer sorrir e levar carinho e conforto  a tantos pacientes nos hospitais de Blumenau: Eis os Trapamédicos, especialistas e referencias em besteirologia e que, neste ano, chegam a 10 primaveras de sorrisos e carinho Reprodução / Trapamédicos)

Eles são mais de 50 e sua especialidade clínica – a qual dominam com louvor – e fazer sorrir e levar carinho e conforto a tantos pacientes nos hospitais de Blumenau: Eis os Trapamédicos, especialistas e referencias em besteirologia e que, neste ano, chegam a 10 primaveras de sorrisos e carinho (Reprodução / Trapamédicos)

(Sabrina Hoffmann / Melz Assessoria de Imprensa)

A batida na porta seguida de um a gente pode entrar? já mostra que o clima do quarto de hospital ganhará novos ares. Nariz vermelho, roupas coloridas, maquiagem, jaleco e sacolas carregadas de surpresas ganham, semanalmente, espaço nos hospitais de Blumenau.

São os Trapamédicos, doutores em besteirologia que tem como objetivo transformar o dia de quem está em tratamento, levando alegria, atenção e carinho aos pacientes. São profissionais de diversas áreas que depois do expediente dedicam um pouco do seu tempo para visitar quem mais precisa. Sempre em dupla, os voluntários precisam de sensibilidade para encarar os desafios.

(Conheça a junta médica desta super equipe)

A fundadora do Trapamédicos, Adriana Costa, ou a famosa e muito conhecida Dra. Biscoito. Uma história especial ou surpreendente a cada visita da equipe. Muitas vezes a pessoa está passando por um momento bastante delicado e o que buscamos é amenizar essa situação (Divulgação / Trapamédicos)

A gente nunca sabe o que vai encontrar, nem qual a reação do paciente quando abrirmos a porta do quarto. Muitas vezes a pessoa está passando por um momento bastante delicado e o que buscamos é amenizar essa situação. Não fizemos piada, mas, sim, transformamos o ambiente hospitalar, com mais humanização e leveza. Há situações em que fomos a única visita que o paciente recebeu, ou o motivo do último sorriso, conta a fundadora da ONG, Adriana Costa.

O Trapamédicos completa uma década em 2016 já passou pelo quarto de cerca de 40 mil pessoas. O projeto, que começou singelo, a partir de um sonho pessoal, hoje já é compartilhado entre 50 voluntários, que dedicam um pouco do seu tempo para fazer a diferença na vida dos outros. As visitas ocorrem em quatro locais: Hospital Santa Isabel, Hospital Santa Catarina, Hospital Santo Antônio e Clínica Renal Vida.

Objetivo: Ser palhaço de hospital

Divulgação / Trapamédicos)

O voluntariado que nasce, seja de uma inspiração familiar ou a motivação simples de dar a um paciente um pouco de alegria durante a estada num quarto de hospital Divulgação / Trapamédicos)

Desde criança, Adriana acompanhou o trabalho da avó como voluntária em um dos hospitais de Blumenau. Foi a partir do exemplo dela que resolveu seguir o mesmo caminho. Quando decidiu voluntariar, a empresária não teve dúvidas: queria ser palhaço de hospital. Comecei as visitas e percebi que não bastava colocar uma roupa estranha e um nariz vermelho. O voluntariado é algo sério e nós entramos em momentos difíceis na vida de boa parte das pessoas. Por isso fui atrás de cursos para oferecer um serviço de qualidade. Nós não tratamos doenças, mas sim pessoas, diz.

A chegada dos amigos foi um processo natural e com as pessoas oferecendo ajuda para o projeto, Adriana acabou criando a ONG. Com 10 anos de atuação, a instituição foca em responsabilidade, prepara os voluntários através de cursos e avaliações e é patrocinada pelos hospitais Dia do Pulmão e da Unimed. A gente quer ser palhaço de hospital, mas da maneira correta, com dedicação, humanização. Por isso contamos com equipe qualificada não só nas visitas mas na administração e prestação de contas do Trapamédicos. Se transformamos a vida das pessoas que visitamos, tenho certeza de que a nossa ganha muito mais com cada dia de ação, conclui a fundadora.

Veja mais alguns retratos destes alegres profissionais da medicina do carinho, a qual recebem o abraço de A BOINA.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Raio X da besteirologia

Ano de fundação: 2006
Voluntários (atualmente): Cerca de 50 profissionais
Pessoas visitadas: Cerca de 40 mil / Cerca de 450 por mês (2016)
Locais atendidos pelos Trapamédicos: Hospital Santa Catarina, Hospital Santa Isabel, Hospital Santo Antônio, Clínica Renal Vida
Apoiadores/patrocinadores: Hospital do Pulmão e Hospital da Unimed

Deixe uma resposta