Gramming & Marbles (Indy/500 Milhas): Dixon pole, Alonso em quinto e Bourdais fora da temporada

AP APTOPIX INDYCAR INDY 500 AUTO RACING S CAR USA IN

Pancada brutal de Bourdais na curva 2. A baixa mais sentida das 500 Milhas e, infelizmente, da temporada da Indy. O clima de competição no Brickyard está, enfim, estabelecido (Greg Huey)

(Douglas Sardo)

Os treinos classificatórios para as 500 milhas de Indianápolis trouxeram um grande susto: Sébastian Bourdais sofreu impressionante acidente na curva 2 da mítica pista, foi hospitalizado com múltiplas fraturas na pélvis e uma fratura no quadril, e está fora do restante da temporada.

Menos mal que ele não teve lesões mais graves e vai ser recuperar, mas foi triste do ponto de vista esportivo, afinal o francês parecia ter velocidade para lutar pela pole-position, e quem sabe, uma vitória inédita no Brickyard. No mais, Scott Dixon mostrou sua classe e garantiu o lugar de honra. Alexander Rossi vai defender seu título partindo do terceiro posto e Fernando Alonso (cada vez mais em casa em Indianápolis) larga em quinto.

Enfim, estamos vivendo as 500 Milhas 

IndyCar-101st-Running-of-the-Indianapolis-500-Practice

Não é surpresa para ninguém que Alonso está empolgado com as 500 Milhas. Parece que trocar o martírio da McLaren por um fim de semana em Indianápolis tem feito bem ao espanhol, já tornado em figura querida da torcida yankee (USA Today Sports)

Em sua 101ª edição, a lendária corrida traz como grande atração a presença do espanhol Fernando Alonso, duas vezes campeão mundial de F1. Já falamos aqui sobre os primeiros testes dele no templo sagrado do automobilismo mundial e não é surpresa pra ninguém que o o asturiano está exultante e confiante para a corrida.

Além do treino em 3 de Maio, o Príncipe das Astúrias participou na segunda-feira passada do ROP (Rookie Orientation Program) ao lado de Oriol Serviá (que participa pela equipe de Bobby Rahal) e Ed Jones (novato que estreou no inicio do ano). Alonso foi o mais rápido dos três com 221.634 mph.

À medida em que os treinos foram avançando, o domínio da Honda foi se escancarando. No Fast Friday, Sebastien Bourdais liderou com 233.116 mph, seguido por Ryan Hunter-Reay, Takuma Sato…e Alonso! Só depois apareceu Juan Pablo Montoya. E para achar outro Chevrolet você teria que procurar em 13º, com Hélio Castroneves. 

A Penske definitivamente não mostrava sua força. Mas a Chevy tinha uma surpresa na manga, e não era o time do capitão…

05-19-Bourdais-Crosses-YardOfBricks-IMS

A Honda partiu bem a frente da Chevrolet nos treinos, começando pela boa média de Bourdais. A Penske, no entanto, sofre para achar um acerto competitivo para seus Chevrolet, para preocupação do atual campeão da Indy, Simon Pagenaud (abaixo) (Indycar Series)

05-22-Pagenaud-Walks-Pitlane-IndyQuals-IMS

Qualificação (Sábado)

Somente os nove mais rápidos do sábado disputariam a pole no domingo, portanto esse treino era fundamental. E Roger Penske continuou sem muitos motivos para sorrir. Apenas Will Power ficou entre os melhores. Desempenho preocupante para o veterano de Indy.

Entre os times Honda, Charlie Kimball e Max Chilton ficaram de fora com a Ganassi, mas Tony Kanaan e Scott Dixon passaram. Vale destacar o bom desempenho da Andretti, colocando Sato como segundo mais rápido. Rossi foi quinto e Marco Andretti nono. Ryan Hunter-Reay decepcionou e foi apenas o 13º.

312454_704714_jhh_3894-1170x400-1495342949

Dos quatro carros da Ganassi, apenas Tony Kanaan (foto) e Scott Dixon se safaram para o Pole Day. O bom baiano vem mostrando confiança e foco na corrida deste próximo domingo, e não esconde isso de ninguém (Jim Haines)

hi-res-61d3fde402c215cfcb98eed963c89b14_crop_north

Ed Carpenter e seus comandados fizeram bonito nos treinos de sábado. Ed foi o primeiro enquanto Hildebrand arrancou um quarto lugar. Baita desempenho! (Michael Hickey)

A grande surpresa dos treinos foi a equipe Carpenter, que mesmo usando o superado motor Chevrolet conseguiu o primeiro lugar nesse treino com o seu proprietário, Ed Carpenter. E mais, J.R. Hildebrand contribuiu no espanto e fez o quarto melhor tempo. Um desempenho maiúsculo do time, que parece ser o único que consegue acertar o kit da marca da gravatinha.

Fernando Alonso foi excelente em sétimo com seu McLaren/Andretti-Honda. As atenções estavam todas voltadas para o espanhol quando ele saiu do carro, e enquanto a mídia buscava ouvir o Asturiano, chegou o momento de Sébastien Bourdais ir a pista buscar tempo. O francês vinha massacrando quando em sua terceira volta, o carro da Dale Coyne saiu de traseira na curva 2, Bourdais aparentemente tentou controlar o bólido no contra-esterço (algo impossível em Indianápolis) e foi reto no muro de proteção.

Acidente impressionante! Bourdais demorava para sair do carro, e apesar de as câmeras terem mostrado ele sinalizando com as mãos, ficava evidente que algo mais sério tinha acontecido…

Sebastien foi levado para o hospital e teve várias fraturas. Os médicos realizaram uma cirurgia que levou duas horas. Felizmente, tudo bem com o piloto da Dale Coyne, mas ele vai ficar de fora pelo restante da temporada. Uma grande pena, pois ele parecia ter chances de fazer a pole e lutar por sua vitória em Indy.

O acidente de Bourdais lembrou muito, pelo menos na mecânica do fato, o que aconteceu em 1982 com o piloto Gordon Smiley, durante os treinos para as 500 Milhas daquele ano. Em sua segunda passagem no Brickyard, Smiley cometeu o erro de tentar corrigir a trajetória do seu March e acertou de frente o muro da curva 3. A pancada brutal praticamente desintegrou o corpo do piloto, que teve morte instantânea.

Portanto, a sorte de Bourdais é que seu carro é infinitamente mais vezes seguro que aquele March de Smiley. O fim poderia ter sido o mesmo…

DAd6boPWsAEhKQ7

Bourdais escapou vivo e as únicas perdas ficaram apenas sendo a Indy 500 e todo o restante da temporada. Muito menos mal se comparar sua pancada com o acidente brutal de Gordon Smiley, em 1982, quase da mesma forma que o francês. A diferença é que Sebastien está vivo, Gordon não (Twitter)

Fast Nine (Domingo)

A chuva apareceu e atrasou o início das atividades, notadamente o warm-up.
A grande história do paddock era James Davison, que foi escolhido por Dale Coyne para substituir Bourdais.

Algumas pessoas achavam que o escolhido deveria ser Stefan Wilson. O veterano Dário Franchitti que o diga…

Tweet de Dario Franchitti

Opiniões à parte, o treino para definir as 24 últimas posições (23 na verdade, Davison não fez o qualify e parte de último) foi adiante e Hunter-Reay garantiu o décimo lugar, mostrando novamente o bom desempenho do carro da Andretti. O pole do ano passado, James Hinchcliffe, não teve um dia feliz e conseguiu apenas o 17º lugar no grid.

A Penske seguiu mal, Montoya apenas em 18º, Castroneves em 19º, Josef Newgarden no 22º e Simon Pagenaud em 23º. Para completar, Will Power foi carta fora do baralho na briga pela pole, ficando com o nono lugar. O australiano ainda não sabe o que é vencer em Indianápolis, e a tarefa parece, ao menos, mais fácil do que os outros quatro companheiros de time.

920x920

Will Power foi o único Penske no top-10, com o novo tempo. O australiano nunca venceu uma 500 Milhas e, ao menos, a sua tarefa está mais fácil que a dos companheiros de time (Darron Cummings)

Marco Andretti não conseguiu extrair o melhor de seu carro e ficou apenas em oitavo. O mesmo vale para Tony Kanaan, que ficou apenas em sétimo. A segunda fila será formada por Takuma Sato, Fernando Alonso (que chegou a ter a pole provisória), e J.R. Hildebrand.

Tirando o espanhol, um row 2 surpreendente, com o japonês da Andretti e o jovem da Carpenter.

alonso-indianapolis-2

Alonso chegou a ter até pole provisória, mas ficou feliz com o quinto lugar. Nada mal para um rookie (Reprodução)

Scott Dixon esteve numa classe a parte e garantiu sua terceira pole-position em Indianápolis, de quebra assumindo a liderança do campeonato (sim, os treinos em Indy contam pontos!). Pensa num cidadão dormindo feliz depois do bom trabalho. Este é o neozelandês da Ganassi.

A primeira fila ainda tem Ed Carpenter, mostrando novamente excelente desempenho, e Alexander Rossi, que parece disposto a repetir o feito do ano passado, agora não mais como uma surpresa, mas sim como uma força a se considerar. Afinal, ele está em casa e aproveitou até pra tirar um sarrinho com Alonso nas coletivas.

USP INDYCAR: 101ST RUNNING OF THE INDIANAPOLIS 500 S CAR USA IN

Dixon com a esposa Emma, e as meninas Poppy e Lilly. O neozelandês saiu dos treinos com a pole e, acredite, com a liderança do campeonato da Indy (Thomas J. Russo/USA Today Sports)

Antes do treino do Fast Nine, a equipe de Alonso precisou substituir o motor do espanhol. Parecia que o fantasma da McLaren-Honda estava perseguindo Fernando, mas tudo deu certo e ele conseguiu ótimo resultado nos treinos. Na coletiva pós-treino, a imprensa questionou o espanhol sobre o assunto, e ele aproveitou para tira uma onda:

Estou acostumado com trocas de motores. Ao que Alexander Rossi,  ao lado de Alonso, prontamente respondeu: É sua especialidade não?.

500 Milhas – Grid de largada:

Fila 1 – Scott Dixon (Ganassi-Honda) / Ed Carpenter (Carpenter-Chevrolet) / Alexander Rossi (Andretti-Honda)

Fila 2 – Takuma Sato (Andretti-Honda) / Fernando Alonso (Andretti-Honda) / J.R. Hildebrand (Carpenter-Chevrolet)

Fila 3Tony Kanaan (Ganassi-Honda) / Marco Andretti (Andretti-Honda) / Will Power (Penske-Chevrolet)

Fila 4 – Ryan Hunter-Reay (Andretti-Honda) / Ed Jones (Dale Coyne-Honda) / Oriol Servià (RLL-Honda)

Fila 5 – Mikhail Aleshin (Schimidt Peterson-Honda) / Graham Rahal (RLL-Honda) / Max Chilton (Ganassi-Honda)

Fila 6 – Charlie Kimball (Ganassi-Honda) / James Hinchcliffe (Schimidt Peterson-Honda) / Juan Pablo Montoya (Penske-Chevrolet)

Fila 7Helio Castroneves (Penske-Chevrolet) / Jay Howard (Schimidt Peterson-Honda) / Sage Karam (DRR-Chevrolet)

Fila 8 – Josef Newgarden (Penske-Chevrolet) / Simon Pagenaud (Penske-Chevrolet) / Carlos Muñoz (Foyt-Chevrolet)

Fila 9 – Gabby Chaves (Harding-Chevrolet) / Conor Daly (Foyt-Chevrolet) / Jack Harvey (Andretti-Honda)

Fila 10 – Pippa Mann (Dale Coyne-Honda) / Spencer Pigot (Juncos-Chevrolet) / Buddy Lazier (Lazier-Chevrolet)

Fila 11 – Sebastián Saavedra (Juncos-Chevrolet) / Zach Veach (Foyt-Chevrolet) / James Davison (Dale Coyne-Chevrolet)

One Offs  – De veterano a moleque, tem de tudo

Além de Alonso, todo ano a Indy 500 recebe alguns participantes que não correm a temporada completa da categoria, naquelas participações especiais que também são um capitulo a parte. E neste quesito tem de tudo: veterano, moleque, gente chamada de supetão, mulheres e alguns rostinhos conhecidos.

Sendo assim, falemos então um pouco sobre esses pilotos:

Jack Harvey – Andretti-Honda (Novato)

2017_I500_JackHarvey1_1600x800

Um inglês no grid: Jack Harvey acelera pela (Andretti Autosport)

Britânico de 24 anos de idade, Harvey já participou do Programa de Jovens Pilotos da McLaren e foi vice-campeão da Indy Lights em 2014 e 2015. Vai fazer sua estréia na F-Indy no Brickyard, largando do 27º posto.

Detalhe: ele foi o primeiro a estampar o carro no muro de Indy, nos treinos do dia 5:


Zach Veach – Foyt-Chevrolet (Novato)

Moleque no meio dos cobras, Zach Veach (no carro, rodeado da equipe) faz sua segunda aparição na Indy este ano no Brickyard. Esteve em Barber nesta temporada e, agora, vai arriscar a pele em 200 voltas (Twitter)

Jovem de 22 anos, Veach vêm de um terceiro lugar (2015), e um quarto lugar (2016) na Indy Lights. Ele fez sua estréia na Indy em Barber esse ano, pela equipe de Ed Carpenter. Agora ele vai tentar a sorte no Brickyard pela equipe de A.J. Foyt, que não se acertou esse ano com o motor Chevrolet, infelizmente.

Moleque raquítico e ainda com jeito de criança, ele larga em 32º e penúltimo. E ele foi o segundo a estampar o carro nos muros da pista, no quinto dia de treinos, numa manobra parecida com a que tirou Bourdais da temporada.

Começou bem…


James Davison – Dale Coyne-Honda (Substitui Bourdais)

O Severino do tio Dale. James Davison foi a escolha do velho chefe de equipe, para a surpresa do grid (Reprodução)

Australiano de 40 anos, Davison foi escalado de última hora por conta do acidente de Bourdais. O famoso quebra-galho para o velho Dale Coyne e cuja escolha surpreendeu a muitos no grid.

Ele tem uma carreira sólida (porém com poucos resultados expressivos) no automobilismo, e já participou de duas edições da Indy 500, uma delas em 2013 com a mesma Dale Coyne, sem grandes resultados.

(Reprodução)


Pippa Mann – Dale Coyne-Honda

A sorridente Pippa de volta. Outro ano de figuração como Honda rosado da Dale Coyne (Reprodução)

A britânica de 33 anos está de volta para participar de sua sexta 500 milhas, a quinta pelo time de Dale Coyne. Entre os patrocinadores que a apoiam na empreitada, uma empresa que faz exames preventivos contra o câncer de mama. Uma boa mensagem indireta de saúde na pista.

Vai largar de 28º. E, ao menos, escapou de estampar o muro nos treinos.

(Reprodução)


Sage Karam – Dreyer & Reinbold-Chevrolet

Sem macacos malucos este ano, Sage Karam volta as 500 Milhas em busca de melhor sorte (Reprodução)

Americano de Nazareth, esse jovem de 22 anos foi o campeão da Indy Lights em 2013, teve uma oportunidade na Ganassi em 2015 mas não se firmou. Está de volta para sua quarta participação no templo. Na ultima, estampado o verde-e-preto dos macacos malucos da oficina Gas Monkey, chegou a liderar mas acabou se chocando no muro da curva 1 no miolo da prova.

Larga em 21º, pasmém, a frente de dois carros da Penske… Talvez tenha mais sorte este ano, ainda mais porque largou de mão o patrocínio do tio Richard Rawlings, já quase um pé frio no automobilismo em qualquer espécie.

(Reprodução)


Gabby Chaves – Harding Racing-Chevrolet

O colombiano-americano também de volta: Gabby Chaves parte nas últimas filas (Reprodução)

Nascido em Bogotá, Colômbia, mas naturalizado americano, esse jovem de 23 anos venceu a Indy Lights em 2014 e guiou pela equipe do veterano e mestre de Laguna Seca,  Bryan Herta, em 2015. Já esteve na categoria principal pela Dale Coyne em 2015, mas nada fez de muito útil.

No ano seguinte foi para o time de Dale Coyne por algumas provas e agora faz um one-off pela Harding . 25º lugar no grid.

(Reprodução)


Spencer Pigot – Juncos Racing-Chevrolet

Pigot já está meio amaciado com os Indy deste ano, já fez três provas pela Carpenter este ano, sem grande resultado registrado (Reprodução)

Pigot já correu três provas pela Carpenter esse ano, mas ele está nessa lista porque vai participar das 500 milhas pela Juncos Racing.

Parte do 29º posto. Alias, ele também foi um dos que acertaram o muro nos treinos…


Sebastian Saavedra – Juncos Racing-Chevrolet

Nome francês mas nascido na Colômbia, Saavedra faz par com Pigot na Juncos (Reprodução)

Também de Bogotá, ele vai fazer dupla com Pigot na Juncos Racing. Saavedra disputou temporadas completas da Indy em 2011, 2013 e 2014 e já disputou seis vezes a prova.

Vai largar do 31º posto, vulgo antepenúltimo lugar.

(Reprodução)


Buddy Lazier – Lazier Partners Racing-Chevrolet

Ele não desiste. Um dia, quem sabe em sonho, Buddy Lazier repete o feito que conseguiu na negra prova de 1996. Até lá, ele vai tentando, e de lá para cá já se vão dez das 20 participações dele nas 500 Milhas (Reprodução)

O eterno vencedor da edição de 1996 (uma daquelas corridas obscuras da Indy por conta da guerra entre IRL e CART). Buddy Lazier já tem 49 anos e ninguém sabe muito bem ao certo o porquê dele continuar correndo no Brickyard ano após ano. Vai ver que é um passatempo ou alguma tradição familiar… vai saber.

Em sua 20ª participação (putz!), vamos torcer para que ele não atrapalhe ninguém partindo do 30º lugar. Sabe como é estes velhinhos teimosos…

(Reprodução)


Oriol Serviá – RLL-Honda

Tá velhinho, mas ainda dá no couro. Serviá corre pela Rahal-Letterman e larga em 12º, na frente do dono da casa, o filho do chefe Graham Rahal (Reprodução)

A equipe de Bobby Rahal e David Letterman confia em Serviá, de 42 anos, para o mês de maio mais as provas em Detroit. Autêntico veterano, o espanhol começou a vida nas corridas de Indy ainda pela CART, em 2000, sendo eleito o rookie do ano. Dali para cá, alguma atuação feliz aqui, um acidente acolá, nada demais.

Não sei se é uma boa aposta, mas o fato é que ele foi mais rápido que o prata da casa e filho do chefe, Graham Rahal, e larga de 12º. Vamos observar o que o segundo espanhol no grid apronta.

(Reprodução)


Jay Howard – Schmidt Peterson-Honda

Bom, ele vai largar. Pelo menos nos treinos o azar crônico de Jay Howard não o barrou. Na corrida, ai, é outro papo (Reprodução)

Esse britânico de 36 anos reside em Indianápolis, mas em três das quatro vezes que correu em casa ele levou muito azar. Em 2008 ele foi trocado por John Andretti (que hoje luta contra o câncer) na Roth Racing. Em 2010 ele não conseguiu classificação com a Sarah Fisher Racing. Em 2012 a equipe Mike Shank não conseguiu um motor para ele participar. Apenas em 2011 ele conseguiu correr, batendo na volta 60.

Ele larga em 20º. Vamos ver até onde ele aguenta, se o pé-frio dele deixar…

(Reprodução)


Juan Pablo Montoya – Penske-Chevrolet

El gordito está de volta. Com extensa ficha corrida na casa, Montoya nunca deve ser descartado, embora ande em baixa (Reprodução)

Dispensa apresentações né? A extensa ficha corrida na casa e o passado na F1 já dizem muito dele. O colombiano voltou para um one-off depois de um 2016 caquético na Penske, totalmente anulado pelos companheiros de time. No entanto, apesar dos pesares, Montoya nunca é carta fora do baralho e sempre pode surpreender.

Só pra você ter noção, na F1 foram sete vitórias em 94 GPs divididos entre Williams e McLaren. Na Indy (somando CART e IRL) foram 14 vitórias e o título de 1999 pela Chip Ganassi, a mesma equipe em que foi responsável por tirar do trono de Indianápolis os botas da IRL com a histórica vitória na prova de 2000. Foi a primeira de duas (a segunda, com a Penske, em 2015). Isto sem contar as peripécias de Juan Pablo nas duas divisões da Nascar.

Este ano, voltando depois de um período sabático, Montoyômetro foi discreto, além de estar restrito aos problemas dos carros Chevrolet. Ele larga em 18º.

(Reprodução)

Os 6 mais – Classificação 

1 – Scott Dixon (223)
2 – Simon Pagenaud (202)
3 – Will Power (171)
4 – Josef Newgarden (164)
5 – Hélio Castroneves (164)
6 – James Hinchcliffe (154)
12 – Tony Kanaan (127)

2017522201230_Nicky Hayden_II

Dispensa comentários… justa homenagem (Reprodução)

É isso aí galera, esse foi o nosso resumão dos treinos e um preparatório para a corrida. Aqui tem o Spotter Guide, com os pilotos e seus respectivos liveries. A IndyCar ainda não atualizou, portanto o Bourdais ainda aparece.

Lembrando então: a partir das 13h da tarde começa a corrida mais importante do automobilismo mundial. Na Band e no Bandsports, 500 Milhas de Indianápolis. Quem será o glorioso que terá a honra de beber o leite sagrado e ter sua face esculpida no Borg-Warner? Cenas para os próximos capítulos.

E claro, 9h da manhã tem GP de Mônaco de F1.  O domingo vai ser longo! Até lá!

Deixe uma resposta