TV Coligadas: Hora de recordar uma aventura da comunicação

Enfim! Uma grande história da comunicação catarinense ganha sua reverencia. Nesta quinta-feira (01/06) é lançado no IBES Sociesc, em Blumenau, o documentário TV Coligadas – A Aventura do Canal 3, recordando a trajetória, desafios e fatos marcantes da pioneira da TV em Santa Catarina (Reprodução)

Para um jornalista, resgatar uma história do passado sempre é um prazer. Duvido que haja um profissional da notícia que não se encante ao descobrir elementos de outros tempos, personagens influentes de outras décadas, fatos, fotos, causos, tudo e mais um pouco que constitui-se na parte da memória de um povo em qualquer canto deste mundo.

Agora, quando se recorda de uma história referente ao meio em que trabalha, o assunto fica ainda mais prazeroso de ser investigado, pesquisado e, posteriormente, contado. Não escondo de nenhum dos colegas de imprensa e amigos de A BOINA que esta é minha especialidade, meu hobby de horas vagas ou de trabalho. E se a história geral é importante, o passado das comunicações o é tanto quanto.

No tempo do rádio a vávula, da TV a lenha, do jornal gigante, a comunicação foi além do simples papel de informar. Deu cara a regiões, aproximou pessoas, apresentou para quem quisesse o estado, país ou o mundo em que vivia e que partilhava com tantos. E Santa Catarina sabe bem disso. Sabe como a comunicação foi importante para tanto, para integrar e para se fazer conhecer em tempos de relações um tanto frias e distantes.

Uma destas histórias, com muito prazer e honra, será apresentada nesta quinta-feira (01/06), no espaço Cultivarte do IBES Sociesc. Fruto de um trabalho de pesquisa, procura, perguntas e depoimentos marcantes, este jornalista revisita uma das aventuras mais fantásticas da história da comunicação catarinense, feita a facão, teimosia, visão e amor a causa.

É o lançamento do documentário TV Coligadas – A aventura do Canal 3, projeto patrocinado pela Prefeitura de Blumenau e pela Fundação Cultural de Blumenau, por meio do Fundo Municipal de Apoio à Cultura que revisita a trajetória da primeira (e legitima pioneira) emissora de TV barriga-verde, além de prestar reverencia a quem a construiu na base do trabalho duro e dedicado para dar ao estado a imagem dele próprio.

A primeira fonte: O livro Imagens de Uma Conquista – Por Detrás das Câmeras da TV Coligadas, de Zair (Zico) Anibal de Souza. Foi por ele que começaram os estudos acerca da memória da TV Coligadas (Reprodução)

Foi uma ideia que nasceu de longe, vinda ainda dos primeiros textos dissecantes da história da TV dispostos no blog do amigo de A BOINA, Adalberto Day, há quase 10 anos. Era eu um garoto de 19 primaveras que queria descobrir mais e mais sobre a emissora, seus programas, apresentadores, histórias, personagens, fatos marcantes e que tinha, como único referencial, a história fantástica contada em livro por Zair Anibal de Souza (Zico) com o apropriado nome de Imagens de uma Conquista – Por Detrás das Câmeras da TV Coligadas.

Por muito tempo, a ideia de fazer algo sobre as memórias da TV Colgadas me perseguia. Conversas com o próprio Beto e com colegas jornalistas não me davam uma luz. Isto até, certo dia, num papo informal com a sempre parceira Nane Pereira surgir a ideia: Por que não transformar num documentário?

Bingo! Eis a luz! Mas não seria um trabalho fácil, ainda mais depois de ouvir várias e várias vezes que imagens da TV Coligadas se resumiam a umas poucas fotos e documentos. Não há praticamente filmes da emissora salvos, as poucas matérias restantes, do fim dos anos 70, encontram-se preservadas em VHS (salvas em telecinagem, processo de captura do filme em vídeo) nos arquivos da FURB TV. Mas curioso que é curioso não para no primeiro não. É quase um São Tomé, incrédulo que só acredita vendo e metendo a mão no fogo.

Ao meu lado, embarcou a experiencia da super produtora Soila Freeze (desculpem o excesso de adjetivos. Neste caso, me permito!), figura carimbada nos projetos culturais na cidade que mostrou os caminhos de como montar uma produção como esta. Os garimpos começaram, especialmente em busca dos entrevistados, as preciosas fontes que dariam corpo a história outra vez. Afinal, eles a escreveram, agora a recontariam.

É a primeira vez que a história da TV Coligadas é contada em forma de vídeo. E o projeto deverá tem continuidade em um livro, com ainda mais detalhes (Reprodução / AHJFS)

Foram bons cinco meses de depoimentos gravados, coletas de material e tudo mais que foi possível para remontar uma página por vezes oculta da comunicação catarinense. A volta ao passado da Coligadas não significa apenas rever a história de uma emissora de TV pioneira, ela presta reverencia aos seus construtores, dá luz a fatos que trazem saudade para muitos e, mais ainda, nos recorda que, em algum momento, eramos os protagonistas da comunicação estadual, coisa que anda meio em baixa ultimamente.

Mas, desta vez, não vou entrar em detalhes. A intenção é compartilhar as emoções deste trabalho com todos, colegas jornalistas, amigos e amigas de A BOINA, acadêmicos de comunicação e, por que não, os saudosos da menina dos seus olhos. O lançamento é na quinta-feira (01/06), às 18h45, no espaço Cultivarte do IBES Sociesc. Entrada livre a todos, bastando trazer apenas a curiosidade e o desejo de conhecer consigo.

Convite feito, A BOINA aguarda você lá para recordar, ver recontada e devidamente revenciada a aventura do Canal 3 de Blumenau, da TV Coligadas, da pioneira, da TV da integração, da grande história da cidade-jardim a frente da comunicação catarinense.

Serviço:

 

(Reprodução)

O que: Lançamento do documentário “TV Coligadas – A aventura do Canal 3”, em Blumenau
Quando: 1º de junho, às 18h45
Onde: Espaço Cultivarte, no IBES Sociesc (Rua Pandiá Calógeras, 272 – Jardim Blumenau)
Ingresso: Entrada gratuita e aberta ao público
Classificação etária: Livre
Tempo do documentário: 30 minutos

 

Ficha técnica:

Projeto e Pesquisa: André Luiz Bonomini
Direção de Produção: André Luiz Bonomini
Direção Geral: Soila Freese
Produção Executiva: Mono Produções Culturais

2 comentários sobre “TV Coligadas: Hora de recordar uma aventura da comunicação

  1. André,
    Parabéns, boa sorte no dia 1º junho no lançamento do vídeo. Fui creio o primeiro a te auxiliar, dar o espaço, incentivar e outros … e mais ser convidado para o vídeo e fiquei de fora. Mas faz parte da vida. Outros importantes como a Valmira (vai entender), negou-se a participar, o Edemir de Souza ficou todo faceiro ao ser convidado e infelizmente faleceu neste meio. Mas vou transcrever um pouco que poderia falar.
    TV – Coligadas Canal 3 de Blumenau fundada em 1º de setembro de 1969.
    Alguns meses antes da data oficial, a emissora foi ao ar em caráter experimental no dia 6 de maio de 1969 – exibindo o filme: “Os Esquimós”, às 20 horas. Um clássico do cinema norte-americano, produzido em 1933 em preto e branco. Foi a primeira emissora de Santa Catarina e logo em seguida em maio de 1970 entra no ar a TV Cultura de Florianópolis Canal 6 que transmitia a TV Tupi. No inicio a programação da TV Coligadas era exibida somente após as 20 horas.
    No entanto antes de entrar no ar a TV Coligadas, havia uma repetidora do Canal 6 de Curitiba, instalada no Morro da Companhia Hering, que transmitia a programação da Rede Tupi, dos Diários Associados, então a mais importante das cadeias de comunicação do país.
    Assistíamos com muito chuvisco (para evitar um pouco os chuviscos, colocava-se no tubo de imagem folhas de papel celofane, nas cores verde, amarelo e azul).
    Muitas vezes as antenas tipo “espinha de peixe” não conseguia produzir uma boa imagem, então tentávamos de tudo até com esponjas Bombril. “a antena ou ficava afixada em cima dos telhados das casas, ou amarrada em postes de varais, com bambus”.
    “Quando não funcionava bem, um ficava na frente da TV e outro virava a antena de um lado para outro até a melhor imagem aparecer”. Está bom? Ainda não, tente um pouco mais para direita; assim? Um pouquinho mais …
    Lembro-me das primeiras marcas de TVs que as pessoas adquiriam era as TVs das marcas Colorado RQ, Telefunken e Philips. A Tevelândia (loja que vendia aparelhos televisores), na Rua Namy Deeke, creio que era a loja que mais vendia, muito famosa., Meus pais compraram em julho de 1968 uma Telefunken nas Lojas Prosdócimo uma filial na Rua da Glória dirigida pelo glorioso senhor Edelui Massaneiro, e foi lá também que comprei meu primeiro violão e toca-discos.
    Um detalhe importante que tinha gente no Garcia que já possuía Televisores desde 1966 ano da copa na Inglaterra, (ouvi dizer que um senhor que morava em uma casa no alto em frente a E. E. Básica Santos Dumont na rua Amazonas possuía desde 1965) mas nada pôde ser visto. Na copa do mundo de 1970, o número de residências que possuíam Televisores era bem maior. Na época entre 1966/1969, existiam as poucas pessoas que possuíam o aparelho e convidavam vizinhos para assistir, ou então nos dependurávamos pela cercas ou estaquetas e poder ver nem que fosse uma figura só de imagem. Tempos nostálgicos aqueles. A programação inicialmente era trazida diariamente em fitas de vídeo produzidas pela Rede Globo. Quando da chegada da EMBRATEL em Blumenau, as transmissões começaram a serem gravadas antecipadamente ao horário da programação e feitas ao vivo. E nessa época nos deliciávamos com jogos ao vivo principalmente do campeonato carioca de futebol.
    Filmes e seriados lembram-me de Rin-Tin-Tin, Planeta dos Macacos, Vigilante Rodoviário com seu cão Lobo, Túnel do Tempo, Jennie é um gênio, Agente 86, Jornada nas estrelas, Os três Patetas.
    Aos sábados o programa musical era “Salve a Banda”, produzido por Edemir de Souza , era a alegria que percorre até os dias de hoje em nossa mente. Apresentado de forma simples, com enorme sucesso, com bandas folclóricas das mais diferentes localidades de Blumenau e região.
    Fatos que recordo no ano da implantação da TV Coligadas em 1969 já nos primeiros meses foram: Vera Fischer miss Brasil e foi anunciada como Vera Lúcia (seus dois primeiros nomes), e o outro a chegada do homem a lua em duas oportunidades, Julho e Novembro, como também o 1000º gol de Pelé no Maracanã contra o Clube de Regatas Vasco da Gama. Todos ao vivo com exceção da primeira alunissagem a lua da Apolo 11 em 20 de julho, onde Ficou famosa a frase do primeiro astronauta a pisar na Lua, Neil Armstrong: “Um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a humanidade”.
    Outra curiosidade de 1969, foi no final do expediente trabalhando na Empresa Industrial Garcia, disse a um amigo: bom final de semana para você. Ele perguntou aonde eu iria, respondi vou assistir o “Grenal” ao vivo do Beira-Rio. Ele respondeu; “que legal se eu pudesse iria também”. Na segunda feira ele ansioso veio logo perguntando; como é que foi ver o Grenal ao vivo? Respondi muito legal, assisti sentado em nossa poltrona pela TV-Coligadas.
    Isso sem falar no famoso ônibus tipo Monobloco com a inscrição ”TV Coligadas/Canal 3 e o símbolo da emissora estampada nas laterais do veiculo”. O ônibus facilitava a condução da equipe de jornalismo e os aparelhos. Muitas filmagens eram feitas do teto do ônibus.
    A logomarca da TV Coligadas marcou história, criada por Beto Fausel e tinha como Slogan “ A menina dos seus olhos”.
    Outro detalhe as TVs eram valvuladas.
    O nome TV Coligadas, dado à nossa emissora de televisão, teve origem na cadeia de rádios que existia naqueles tempos no Vale do Itajaí, todas de propriedade de Wilson de Freitas Melro e Flávio Rosa, dois dos fundadores da TV. Elas eram conhecidas como as “Emissoras Coligadas de Santa Catarina”.
    A rede, liderada pela PRC-4 Rádio Clube de Blumenau, que tinha sido também a primeira estação radiofônica do Estado, compunha-se ainda das seguintes rádios: Difusora de Blumenau, Clube de Gaspar, Clube de Indaial, Araguaia de Brusque e Clube de Itajaí. Antes da TV ser instalada o forte eram os Cines, e com o advento da TV Coligadas foi um sucesso, e criou um novo hábito e afastou um pouco o público dos cinemas locais, Cine Busch, Cine Blumenau, Cine Garcia, Cine Mogk, Cine Atlas, notoriamente houve uma queda nas bilheterias
    Lembro-me da primeira novela da Globo que a TV Coligadas levou ao ar chamava-se “ A Ponte dos Suspiros”, estrelada pelo casal que era a coqueluche do momento: Yoná Magalhães e Carlos Alberto Soares , marido e mulher na vida real.
    Depois vieram outras. Irmãos Coragem – Três irmãos desafiam a autoridade de um latifundiário em fictícia cidade do interior de Goiás. João Coragem (Tarcísio Meira) – Jerônimo (Cláudio Cavalcanti) e Duda (Cláudio Marzo).

    O programa “Mulheres em Vanguarda” começou a ser apresentado em novembro de 1969; foi pioneiro em Santa Catarina. Apresentado por Valmira Siemann, Lane Wirt, Vanja Siemann, e Dagmar Pollmann.
    O “Telejornal Malhas Hering” era um dos principais da emissora, noticias que ocorriam em todo o estado chegavam no mesmo dia a população, apresentado por Carlos Braga Muller, tinha como acompanhantes José Reinoldo Rosembrock e Jesser Jossi nos esportes. Para nós Carlos Braga Muller era uma espécie de Cid Moreira de Santa Catarina, se apresentava na TV e se assinava apenas “Carlos Braga”, era para de alguma forma evitar confusão com o colunista social da região, o requisitado Carlos Muller ou Carlinhos Muller, coincidência no nome. Quando Carlos Braga Muller trabalhava em rádio, usava a alcunha de Charles Neto.
    Entre outros jornalísticos, o “Repórter Garcia” era outro de destaque, apresentado por José Schreiber, tinha a companhia do próprio Carlinhos Muller, e trazia os assuntos referentes à sociedade de Blumenau,
    Final triste nossa TV Coligadas Canal 3, foi vendida para o Grupo Petrelli no ano de 1980 (creio eu) para o Grupo RBS para se tornar uma emissora da rede do grupo nesta região do Estado.
    Para saber mais sobre TV- Coligadas Canal 3, acesse o Blog de Adalberto Day http://www.adalbertoday.blogspot.com e coloque a palavra chave em pesquisas.
    Adalberto Day Cientista Social e pesquisador da história

Deixe uma resposta