O jornalismo voltado ao bem estar e a saúde no Vale: Eis o Saúde da Gente

(Info: Josiane Caitano)

Um novo endereço para as notícias da saúde no Vale: Eis o Saúde da Gente, novo projeto da jornalista Josiane Caitano, colunista de A BOINA e que já está no ar desde a última semana (Reprodução)

Um portal de notícias especializado nas áreas de saúde e bem-estar, que visa proporcionar informação de qualidade e contribuir com a vida da comunidade . Parece esboço de um futuro e necessário projeto para um público sedento de caminhos quando o assunto é o cuidado conosco e com nossos próximos. No entanto, no Vale do Itajaí isto não é mais uma ideia, e sim um negócio concreto, nas mãos de uma das amigas de A BOINA, cuja competência já é comprovada na coluna Maternidade e em vários trabalhos anteriores como assessora.

Fruto do idealismo da jornalista e mãe Josiane Caitano, colunista de A BOINA, foi lançado no último dia 20 de setembro o portal Saúde da Gente, voltado as questões de saúde, bem-estar e cuidados direcionados ao público do Vale.  Além de Josi, também trabalha no projeto o jovem e experiente publicitário João Batista de Moura, responsável pelo setor comercial do portal.

Continuar lendo

Maternidade em A BOINA: Tem brinquedos pela casa? Tem sim sinhô!

(Reprodução)

(Josiane Caitano)

Nunca fui muito exigente com organização, sempre achei que o essencial é o suficiente (para tudo). Com o nascimento de um filho a gente fica menos preocupada com esse tipo de coisa. A minha sogra sempre diz que se o Bernardo está fazendo bagunça está tudo certo. Isso é um ótimo sinal. Tudo dentro da normalidade, conta. E eu só posso concordar (risos).

Que felicidade poder brincar com meu filho e ver ele se divertir na nossa casa. Para mim, essa alegria é bem maior do que o sentimento de casa arrumada. Nós poderíamos manter tudo no lugar, deixar tudo brilhando, mas para quê? Amanhã a gente arruma, quando der a gente arruma. Se tivéssemos feito isso, dado valor à casa arrumadinha, não teríamos nos divertido tanto.

Aqui tem brinquedos pela casa sim. Mas também tem brincadeira, amor, alegria, calor humano e família feliz. E isso não tem preço e nem casa arrumada que pague!

Maternidade em A BOINA: Porque ele é “a cara o pai”

Leandro, Josiane e o pequeno Bernardo… e aquela história de quem o filho é o xerox do pai, de tão clássica não passa de papo fático diante das boas coisas que ele pode similar dos pais (Arquivo pessoal)

(Josiane Caitano)

Desde que o Bernardo nasceu, todo mundo diz que ele é parecido com o pai dele. E é mesmo. Desde então também ouço: É difícil né… a mãe carrega o bebê por nove meses na barriga e ele sai a cara do pai.

Gente, qual o problema nisso? Afinal, ele é o pai. Existem coisas muito mais importantes do que parecer fisicamente com um ou com outro (os valores que vamos passar para o nosso filho, por exemplo). E tem mais: é um orgulho saber que o Bê se parece com o Leandro, já que eu amo o pai do meu filho.

Continuar lendo

Maternidade em A BOINA: Sobre ser mãe de menino

Miguel e sua mãe, Sheila (Arquivo pessoal)

(Josiane Caitano)

O Miguel é meu afilhado. Ele tem dois anos e meio e gosta de brincar de boneca e de fazer comidinha. Filho da minha irmã, ele tem todo o apoio de uma mãe cabeça aberta que não vê problema algum nisso. Ela é corajosa. Embora hoje a sociedade já esteja um tanto mais aberta a essas questões, ainda é muito difícil para muitas pessoas ver isso com naturalidade.

Em um tempo em que muito se fala sobre empoderamento feminino, sobre o espaço conquistado pelas mulheres no mercado de trabalho e as lutas pela igualdade de gênero, ser mãe de menino é uma grande responsabilidade também. Não basta ensinar as meninas, educá-las para buscar seu lugar no mundo, a serem protagonistas de suas histórias, a se valorizar. É preciso preparar os meninos para isso, para que toda essa questão seja vista de forma mais natural no futuro.

Continuar lendo

Maternindade em A BOINA: Ele está indo para a creche e está tudo bem

(Arquivo Pessoal)

(Arquivo Pessoal)

(Josiane Caitano)

Foi uma decisão muito importante. Na última semana fiz a adaptação do Bernardo na creche. Meu marido e eu pensamos muito antes de decidir que iríamos mesmo fazer isso neste momento, já que a avó se dispunha a cuidar dele. E querem saber? Foi a melhor escolha que fizemos. Pelo menos é essa a nossa percepção no momento. Não que a avó não o cuidasse bem, muito pelo contrário, ela sempre fez muita questão de tomar conta do Bernardo e sempre fez isso com muito carinho.

Também não estou dizendo que é fácil. Como mencionei anteriormente, é uma decisão muito importante, já que marca o início de uma nova fase. Por isso, o período de adaptação é essencial para a criança (e para a mãe também). Fiquei com ele o tempo todo nos três primeiros dias. Nos dois dias seguintes fiquei por perto, na sala ao lado, e ele foi um menino muito comportado, chorou um pouco, mas nada fora da normalidade. Isso porque ele já era acostumado a ficar com outras pessoas, pois há alguns meses, quando retornei da licença-maternidade, ele se habituou a ficar com a avó.

Continuar lendo

Maternidade em A BOINA: É preciso ser forte para ser mãe

(Josiane Caitano)

(Arquivo Pessoal)

(Arquivo Pessoal)

Sempre ouvi horrores sobre a maternidade. Era a tia da vizinha falando das dificuldades de criar o filho sozinha. Era o pai morrendo de medo que eu engravidasse antes de terminar o ensino médio. Vê se não vai ganhar o diploma antes de iniciar a faculdade, menina, ironizava ele, relacionando o diploma com a certidão de nascimento de uma criança.

Exceto por parte da minha mãe – que teve nove filhos (isso mesmo: no-ve!) – ouvi muito drama sobre a maternidade. Era a prima falando sobre as dores do parto, a amiga da colega falando sobre o drama que foi, para ela, a amamentação. Outra pessoa falando que filho atrapalha a vida profissional da mulher.

Continuar lendo