Gramming & Marbles (Indy): Power vence em meio ao caos Texano

06-10-BigCrash-ScreenCapture-V2-TEX

A Indy no Texas foi um samba do crioulo doido. E feliz foi Will Power, que saiu vivo do terreiro (Reprodução)

(Douglas Sardo)

Após uma rodada dupla desinteressante em Detroit, máquinas e pilotos da F-Indy desembarcaram em Forth Worth, Texas, para a prova oval mais esperada do ano depois das 500 Milhas. O circuito Texano tem uma tradição fortíssima de grandes corridas, com acidentes impressionantes e principalmente disputas roda a roda até a linha de chegada.

E mais uma vez a pista de 1,455 milhas (cerca de 2,3 km) fez valer sua reputação. A prova foi insana, com vários acidentes, disputas incríveis, manobras arrojadas e surpreendente desempenho da Penske, que fez com que Will Power vencesse após apenas OITO carros sobreviverem.

Uma pena que a disputa tenha ocorrido num horário pouco interessante para o público brasileiro, sem contar o fato de a Band não ter transmitido a prova em canal aberto, apenas em seu pouco popular canal fechado. De qualquer forma, quem conseguiu ficar acordado das 21h da noite de sábado e varar a madrugada com certeza ficou satisfeito.

E fica a pergunta: porque essa corrida do Texas não é colocada imediatamente após as 500 Milhas, como era antigamente?

Continuar lendo

Gramming & Marbles (Indy): Rahal domina rodada dupla em Detroit

Graham_Rahal_and_Honda_i

Detroit tem um novo rei: Graham Rahal sobrou na turma durante a rodada dupla nas bandas de Michigan (Reprodução)

(Douglas Sardo)

Desde que começou a ser disputada em 2013 a rodada dupla na cidade motor nunca havia tido um mesmo vencedor nas duas corridas. Mas eis que Graham Rahal saiu das trevas de onde estava escondido desde o início do ano para arrebatar tanto a corrida de sábado quanto a de domingo.

O resultado também estabeleceu o sétimo vencedor diferente da temporada em oito etapas. Como Rahal venceu as duas corridas, ele também se tornou o primeiro a vencer duas provas esse ano. Estritamente em termos de resultados, essa temporada da Indy é muito interessante. Porém, com a honrosa exceção das 500 Milhas de Indianápolis, até aqui não tivemos grandes duelos pela vitória.

O típico campeonato que é mais interessante de se acompanhar pela tabela de pontuação do que pela tela da TV, ou de um lugar na arquibancada.

Continuar lendo

Gramming & Marbles (Indy): Sato salva a categoria e vence as “500 Milhas de Alonso”

takuma-sato-indy-500-win-japanese-announcer

Há um nipônico entre os grandes. Takuma Sato abusou da agressividade característica e levou no bolso uma emocionante 500 Milhas, marcada especialmente pelo debut de Fernando Alonso no oval. Uma vitória que, em linhas gerais, “salvou o grid” da Indy (Reprodução)

(Douglas Sardo)

Não me leve a mal por esse título. Eu gosto de Takuma Sato e adorei sua vitória no último domingo nas 500 Milhas de Indianápolis. Sato é um bom piloto da Indy, teve um início de campeonato mais ou menos e agora fez a corrida de sua vida, aguentando a pressão de um dos maiores vencedores da pista até a última volta. Teria sido épico se uma ultrapassagem no giro final decidisse a prova. Não aconteceu. Ainda assim, a Indy foi incrível no último domingo como ainda não havia sido esse ano.

Tudo isso posto, o grande assunto da prova foi Fernando Alonso. O espanhol embarcou nessa aventura exótica para nossos tempos e fez um treino classificatório excelente mais uma baita corrida. Porém, o motor Honda o traiu outra vez. E o que se vê por aí são lamentações: ah, a Honda ferrou o Alonso de novo… ah, eu queria que ele tivesse vencido… por ai vai.

Querem saber? A glória de Sato e o fato de Alonso não ter vencido foi o melhor que poderia acontecer para a Indy. É sobre isso que falamos hoje.

Continuar lendo

Gramming & Marbles (Indy/500 Milhas): Dixon pole, Alonso em quinto e Bourdais fora da temporada

AP APTOPIX INDYCAR INDY 500 AUTO RACING S CAR USA IN

Pancada brutal de Bourdais na curva 2. A baixa mais sentida das 500 Milhas e, infelizmente, da temporada da Indy. O clima de competição no Brickyard está, enfim, estabelecido (Greg Huey)

(Douglas Sardo)

Os treinos classificatórios para as 500 milhas de Indianápolis trouxeram um grande susto: Sébastian Bourdais sofreu impressionante acidente na curva 2 da mítica pista, foi hospitalizado com múltiplas fraturas na pélvis e uma fratura no quadril, e está fora do restante da temporada.

Menos mal que ele não teve lesões mais graves e vai ser recuperar, mas foi triste do ponto de vista esportivo, afinal o francês parecia ter velocidade para lutar pela pole-position, e quem sabe, uma vitória inédita no Brickyard. No mais, Scott Dixon mostrou sua classe e garantiu o lugar de honra. Alexander Rossi vai defender seu título partindo do terceiro posto e Fernando Alonso (cada vez mais em casa em Indianápolis) larga em quinto. Continuar lendo

Gramming & Marbles (Indy): A “Força de Vontade” supera o azar no misto de Indianápolis

Para superar as dificuldades é preciso muita força de vontade. Bom, isso, Will Power já tem até no nome. Australiano espantou a zica e fez a festa no primeiro evento em Indianápolis antes das 500 Milhas (IndyCar)

(Douglas Sardo)

Se estava faltando sorte para o australiano Will Power no princípio deste ano, o GP de Indianápolis pode ter espantado a zica. O #12 da Penske teve um fim de semana que beirou à perfeição no misto do Indianápolis Motor Speedway, liderando todas as sessões de treinos e quase todas as voltas da prova para vencer pela primeira vez em 2017.

Pior para Hélio Castroneves. O brasileiro foi o único que esteve próximo de Will durante o fim de semana e chegou a liderar algumas voltas apenas para ver suas chances evaporarem em stint final muito ruim com os pneus duros. No fim, o australiano deixou a má sorte para trás e saí do primeiro compromisso no mítico circuito como um dos candidatos ao título da F-Indy neste ano.

Continuar lendo

Gramming & Marbles (Indy): No Alabama, Newgarden vence após novo azar de Power

Quando Tio Roger aposta, ele geralmente costuma não errar. Quanto ao talento de Newgarden, isto ele pode ter certeza de ter apostado bem. O novato da Penske venceu sua primeira prova e com autoridade de gente grande (Reprodução)

Roger Penske é uam velha raposa, todo mundo sabe. Ele aposta e, geralmente, acerta no pupilo contratado. Com a vacância de Juan Pablo Montoya, coube a Josef Newgarden mostrar por que é um talento a ser muito considerado para o futuro na F-Indy. E ele não demorou muito a justificar a aposta, pois Josef só precisou de apenas três corridas para conseguir sua primeira vitória pela equipe de Uncle Roger. Quis o destino que o palco fosse o mesmo de seu primeiro triunfo na categoria, há dois anos atrás.

A corrida em Barber não repetiu o thriller de anos anteriores, muito graças ao pneu furado de Will Power, que liderava faltando 14 voltas e certamente teria brigado até o final com Newgarden. Não foi dessa vez que a Indy entregou um grande duelo em 2017, mas as cartas estão na messa e poderemos ter uma grande batalha no primeiro oval do ano, o de Phoenix, no próximo sábado.

Continuar lendo